Como se livrar dos insetos no verão?

Se o verão é, para muita gente, a época mais aguardada do ano, essa é também a estação favorita dos insetos, que aproveitam as altas temperaturas para se reproduzir. Assim, uma questão que surge entre as pessoas é como se livrar dos insetos, já que ninguém quer ser atormentado por essas pragas.
 
O ideal a se fazer, principalmente nas épocas de calor, a começar pela primavera, é dedetizar os ambientes, protegendo-os e impedindo que insetos, como moscas, mosquitos vetores de doenças, baratas, formigas e cupins apareçam. Mas, há algumas técnicas que podem ser usadas para espantar os bichos enquanto a desinfectação não é realizada.
 

Cuidados básicos

 
Os cuidados mais básicos podem ser tomados em todos os ambientes e cômodos. Colocar telas nas janelas e fechá-las ao entardecer – hora que os mosquitos aparecem -, tampar as frestas das portas – para evitar baratas – e manter ralos fechados – tampas de sistema abre-e-fecha são uma solução – são os primeiros passos para evitar os insetos.
 
Baratas e formigas também são muito atraídas por restos de comida, então evitar deixar panelas abertas no fogão e acumular louças sujas na pia também são uma alternativa. E, claro, manter a lixeira fechada e limpar o local onde o lixo é armazenado são cuidados essenciais.
 

Receitas “espanta-insetos”

 
Os insetos detestam o cheiro de cravo-da-índia, então utilizar esse tempero é ótimo para afastá-los. Borrifar água com cravo, deixá-los espalhados pela casa ou ainda espetar cravos no limão são truques infalíveis no combate de formigas, moscas e baratas.
 
Outra boa dica é deixar pelos ambientes velas de citronela ou andiroba, capazes de afugentar os insetos disfarçar o cheiro da pele humana, o que atrai os mosquitos. Misturas de açúcar cristal e bicarbonato de sódio e de pimenta-do-reino com vinagre ou leite espalhadas em pratinhos também é uma garantia de ficar livre das pragas urbanas.
 
Mas, como dito em cima, esses cuidados são apenas paliativos enquanto a dedetização não é feita. Para garantir que o ambiente fique completamente seguro, você pode contratar a Insetan, que irá desinsetizar e livrar você dos insetos. É importante também lembrar que a dedetização deve ser feita periodicamente para manter as pragas definitivamente longe.

18 PLANTAS QUE VÃO TE AJUDAR A REPELIR OS INSETOS DA CASA E PRAGAS DO JARDIM

Algumas plantas são naturalmente repelentes pois são desagradáveis aos insetos – moscas, mosquitos e pernilongos – e até às pragas comuns dos jardins – pulgões, cochonilhas e lagartas diversas. Para conseguir este efeito bastará você ter algumas dessas plantas repelentes em lugares estratégicos do seu jardim e da sua casa.
O que faz com que as plantas tenham essa ação repelente são seus óleos essenciais cujo odor incomoda aos insetos apesar de serem agradáveis a nosso olfato. Isso não quer dizer que os insetos vão desaparecer só por você ter plantada uma alfazema, um alecrim ou um canteiro de crisântemos mas, com certeza irão diminuir.
A quantidade de insetos e pragas tem relação direta com fatores como água parada, zonas sombrias e úmidas e com o calor.
Você ajudará cuidando de não ter poças no seu jardim, ou zonas sombrias e mantendo uma boa circulação de vento.

Ervas aromáticas boas como repelente

1. Manjericão

O manjericão é repelente para moscas e mosquitos então, você pode ter seus vasos nas entradas naturais – portas e janelas – onde bata sol. O seu aroma impedirá, em alguma medida, a entrada de insetos na sua casa e, como acréscimo, você terá sempre manjericão fresco para saladas, molhos e sopas.

2. Lavanda (alfazema)

Repele traças, pulgas, moscas e mosquitos. Para obter este efeito, coloque maços de alfazema espalhados pela casa, pendurados nas janelas, sobre os móveis, e sachês de flores de alfazema dentro das gavetas. A alfazema era usada até para afastar escorpiões – com vasos desta planta nas janelas. Uso muito antigo.
 

3. Capim-limão

Também conhecido como capim-santo ou lemongrass, parente da citronela que, como esta, é um repelente de mosquitos. O melhor jeito de se usar é extrair seu óleo essencial e passar pela casa, com um pano úmido.

4. Tomilho-limão

È uma variedade de tomilho que tem as folhas pintadinhas de amarelo e um cheiro ativo de limão. É repelente de mosquitos, cresce bem em solos rochosos e ensolarados. Para usar o seu efeito repelente corte as ramas e macere-as com as mãos. Isso liberará os aromas que nos gostamos e que os mosquitos detestam. Tenha cuidado pois pode dar alergia de contato.

5. Tomilho

Tem os mesmo efeitos do tomilho-limão e é excelente para chás contra resfriados.
Hortelã – ativa repelente de mosquitos. É melhor cultivar a hortelã em vasos pois esta planta se espalha de forma agressiva e ocupará todo o seu jardim.

6. Alecrim

O alecrim é uma planta linda, que na primavera, quando o sol bate, solta uma infinidade de flores azuis, minúsculas, e expande seu aroma por toda a casa. Tenha vasos de alecrim em suas janelas e espalhe alguns pelo jardim.
 

7. Louro

Use as folhas de louro, espalhadas pela casa, para repelir moscas.

8. Cebolinha

As flores da cebolinha são aromáticas e repelem moscas e pulgões. Plante cebolinha no meio da horta, especialmente em volta das cenouras.

9. Endro

Uma erva aromática muito usada na Europa e ótima repelente de pulgões, ácaros e pragas que atacam o repolho e os tomates. É parente da erva-doce.

10. Erva-doce

Excelente repelente para pulgões, lesmas e caracóis. Plante, com o endro, pelas beiradas das sua horta.

11. Erva-cidreira

Repele os mosquitos.

12. Orégano

Repele muitas pragas e irá fornecer cobertura de solo e umidade para pimentas.

13. Salsinha

È repelente de besouros e indispensável na cozinha.

14. Cebola

Plante cebolas na horta, em volta dos tomateiros, pimentões, batata, repolho, brócolis e cenouras. A cebola espanta pulgões, lesmas, moscas e outras pragas comuns. Se tiver roseiras, plante cebolas junto. O mesmo efeito têm outras ervas da família Allium, como a cebolinha e o alho-poró e cebolinha.

15. Crisântemos

São ideais para repelir baratas, formigas, besouros japoneses, carrapatos, traças, piolhos, pulgas, percevejos, ácaros, insetos arlequim e até os nematoides dos ramospois contêm peritroides, o composto que se usa nos inseticidas em spray.

16. Malmequer

Contra pulgões, mosquitos e outras pragas (inclusive afasta os coelhos) e cujas raízes afastam os nematoides do solo. Plante os malmequeres em volta dos canteiros de hortaliças.

17. Capuchinha

È muito boa para afastar a mosca branca que ataca as couves, em geral. Para além do mais, é muito bonita e ótima em saladas.

18. Tagetes, ou cravos de defunto

Têm as mesmas qualidades repelentes dos crisântemos.

Fonte: Greenme

Calor e umidade prolongada lançam alerta para a dengue em BH

Não bastasse o risco de alagamentos e desmoronamentos com a temporada de chuva, uma combinação de fatores acende o alerta para outro desafio na capital mineira. O calor e a umidade prolongada, que tendem a ficar cada vez mais intensos, favorecem a proliferação do Aedes aegypti, vetor da dengue, chikungunya e zika.
Só neste ano, 154 mil pessoas tiveram dengue em Belo Horizonte e outros 1.780 casos estão pendentes de resultados. Cinquenta e cinco moradores da capital perderam a vida devido a complicações da doença.
O último levantamento disponibilizado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) mostra a regional Barreiro no topo do ranking, com 25 mil ocorrências, seguida pela Nordeste (21 mil) e Leste (20 mil).
Após registrar dias seguidos de chuva na semana passada, focos do mosquito podem ser vistos em diferentes regiões da cidade. São pneus velhos, garrafas destampadas, potes de plástico e até lixo que podem acumular água e servir como um meio de reprodução para as larvas.
No bairro Goiânia, região Nordeste de BH, o que chama a atenção é a Unidade de Recebimento de Pequenos Volumes (URPV). Instalado na rua Araci de Almeida, próximo ao Anel Rodoviário, o espaço tem uma espécie de reservatório cheio de água, que pode oferecer perigo. Próximo dali, em um lote vago, entulhos também servem como criadouros. Uma equipe da regional Nordeste irá até o local para verificar a situação.

Dengue

CRIADOURO – No bairro Santa Inês, um pneu pendurado em um poste acumula água

O infectologista e professor da UFMG Unaí Tupinambás reforça que o período chuvoso, seguido de estiagem e altas temperaturas, é o quadro perfeito para a proliferação do Aedes aegypti. Segundo ele, que acredita em um aumento dos registros de chikungunya, o melhor a se fazer é a prevenção, com eliminação dos possíveis focos.
Combate
Em nota, a SMSA informou que realiza ações constantes de conscientização. Mutirões de limpeza para eliminar possíveis criadouros e evitar a presença do mosquito também são feitos o ano inteiro, diz a secretaria. Em 2016, foram 174 mutirões, com recolhimento de mais de 4 mil toneladas de materiais.
Águas contaminadas favorecem casos de leptospirose
Belo Horizonte tem 51 pontos com risco de alagamento. Assim, o perigo nesse período de chuvas mais intensas não está restrito à dengue. O alerta à população também vale para doenças provocadas pelo contato com água contaminada.
A leptospirose – infecção grave que pode até matar – é uma delas. O infectologista Estevão Urbano é categórico. Para ele, as pessoas devem, sempre, evitar o contato com poças, enchentes e enxurradas. Só assim para afastar qualquer risco.

Dengue

ENTULHO – No Goiânia, recipientes de plástico e lixo podem favorecer o surgimento de larvas do mosquito

“Porém, nos casos em que isso não é possível (evitar o contato com a água), é aconselhado proteger mãos e pés, com luvas, botas ou até mesmo plásticos. Depois, o ideal é tomar um bom banho. Se a casa, móveis e demais objetos forem molhados, a recomendação é usar desinfetantes e água sanitária”, explica o médico.
Sintomas
Causada por uma bactéria presente na urina de ratos, a leptospirose tem como sintomas febre alta, mal-estar, dores de cabeça e pelo corpo, cansaço, vômitos e desidratação. Na maioria dos casos, o tratamento inclui o uso de antibióticos, mas sem o diagnóstico, a doença tende a causar danos mais graves. “Dependendo do caso, o paciente pode até ter hemorragia e insuficiência renal. Nessas situações, o tratamento pode precisar de hemodiálise e internação, por exemplo”, afirma o infectologista.
Bactérias, vírus e parasitas também são carregados pelas águas contaminadas da chuva, o que pode propiciar o surgimento de outras doenças, como a diarreia. No entanto, cuidados básicos, como lavar sempre as mãos e os alimentos, e ferver a água, podem evitar o problema.

Arte dengue

Apenas 20 % da população levam a sério o combate ao mosquito Aedes Aegypti

No combate ao Aedes Aegypti atitudes rotineiras podem ajudar a manter o mosquito longe de residências e ambientes de trabalho. Entre tantos cuidados, alguns são ações importantes mas que poucos se comprometem a fazer. Segundo a Coordenadoria de Controle de Vetores do Estado, 89% da população têm conhecimento sobre o que é preciso fazer para eliminar os focos do Aedes, no entanto, apenas 20% concretizam o que é necessário.
Evitar o acúmulo de água parada por meio do controle mecânico ainda é a medida mais eficiente contra os focos do mosquito, ressaltou Marcio Luiz de Oliveira, gerente do Programa de Controle de Vetores do Estado. “Não deixar que a água se acumule é ainda a forma mais eficiente para evitar a proliferação do mosquito que transmite doenças como a dengue, zika e chikungunya. Mas apenas parte da população faz o que precisa ser feito, apesar de ter conhecimento”.
Outras medidas são consideradas eficazes quando o mosquito já é adulto, como a instalação de telas em portas e janelas, o uso de repelentes corporais, inseticidas em spray ou ainda repelentes elétricos que prometem espantar esses insetos por até 10 ou 12 horas, segundo Marcio Luiz.
Apesar de não ser recomendado por médicos, já que pode provocar problemas respiratórios, o repelente em espiral é também considerado eficiente. Acesso com fósforo, esse repelente libera uma fumaça que espanta os mosquitos, mas só deve ser usado em ambientes abertos ou em locais onde não haja energia elétrica. “Não é um método recomendado porque pode causar danos à saúde”, ressaltou Marcio Luiz.
O Aedes Aegypti diminui sua atividade nos períodos de inverno ou em ambientes com temperaturas mais amenas. “Uma boa dica, e que funciona, é o ar condicionado. Se ligado a uma temperatura igual ou inferior a 22°C pode inibir a ação do mosquito. Isso seria ideal durante a noite”, explicou o gerente do Programa de Vetores.
Mosquito de hábitos urbanos, o Aedes  permanece nas residências, onde há alimento (sangue) e possíveis locais com água parada, onde ele pode colocar os ovos. “Pelo menos 86% dos vetores estão dentro de casa. É um mosquito urbano. Mas não basta que não sua casa não tenha foco. É preciso que todos cooperem porque o mosquito pode percorrer até 150 metros de distância, então, se ele não tiver foco na sua casa, ele pode ir apenas para se alimentar”, explicou Marcio.
No combate ao Aedes Aegypti atitudes rotineiras podem ajudar a manter o mosquito longe de residências e ambientes de trabalho. Entre tantos cuidados, alguns são ações importantes mas que poucos se comprometem a fazer. Segundo a Coordenadoria de Controle de Vetores do Estado, 89% da população têm conhecimento sobre o que é preciso fazer para eliminar os focos do Aedes, no entanto, apenas 20% concretizam o que é necessário.
Evitar o acúmulo de água parada por meio do controle mecânico ainda é a medida mais eficiente contra os focos do mosquito, ressaltou Marcio Luiz de Oliveira, gerente do Programa de Controle de Vetores do Estado. “Não deixar que a água se acumule é ainda a forma mais eficiente para evitar a proliferação do mosquito que transmite doenças como a dengue, zika e chikungunya. Mas apenas parte da população faz o que precisa ser feito, apesar de ter conhecimento”.
Outras medidas são consideradas eficazes quando o mosquito já é adulto, como a instalação de telas em portas e janelas, o uso de repelentes corporais, inseticidas em spray ou ainda repelentes elétricos que prometem espantar esses insetos por até 10 ou 12 horas, segundo Marcio Luiz.
Apesar de não ser recomendado por médicos, já que pode provocar problemas respiratórios, o repelente em espiral é também considerado eficiente. Acesso com fósforo, esse repelente libera uma fumaça que espanta os mosquitos, mas só deve ser usado em ambientes abertos ou em locais onde não haja energia elétrica. “Não é um método recomendado porque pode causar danos à saúde”, ressaltou Marcio Luiz.
O Aedes Aegypti diminui sua atividade nos períodos de inverno ou em ambientes com temperaturas mais amenas. “Uma boa dica, e que funciona, é o ar condicionado. Se ligado a uma temperatura igual ou inferior a 22°C pode inibir a ação do mosquito. Isso seria ideal durante a noite”, explicou o gerente do Programa de Vetores.
Mosquito de hábitos urbanos, o Aedes  permanece nas residências, onde há alimento (sangue) e possíveis locais com água parada, onde ele pode colocar os ovos. “Pelo menos 86% dos vetores estão dentro de casa. É um mosquito urbano. Mas não basta que não sua casa não tenha foco. É preciso que todos cooperem porque o mosquito pode percorrer até 150 metros de distância, então, se ele não tiver foco na sua casa, ele pode ir apenas para se alimentar”, explicou Marcio.
Fonte: MS Notícias

Solução contra mosquitos em sua casa!

Mantendo mosquitos longe de sua pele

Matador de mosquitos

O matador de mosquitos, normalmente feito de metal/plástico mais grosso que o mata-moscas tradicional, é montado na extremidade de um arame grosso semelhante ao de molas. Isso dramaticamente aumenta suas chances de matar um mosquito parado ao elevar o impulso do matador.

  • Qualquer item que aumente a extensão do seu braço, e faça-o bater com mais agilidade, será suficiente. Experimente um jornal/revista enrolado.
  • Nenhum matador em mãos? Mate o mosquito voador batendo palmas. Usar as duas mãos é mais eficiente que utilizar uma só, já que o ar vindo de cada parte do corpo irá jogar o mosquito para a palma oposta.

 

Use um repelente químico

Manter mosquitos longe do corpo é a melhor maneira de evitar a picadura. Use repelentes em pedaços descobertos de pele e em suas roupas quando você estiver fora de casa, especialmente durante o dia. Ao usar protetor solar, aplique-o antes de passar o repelente.

  • Repelentes contendo de 30% a 50% de DEET (N.N-Dietil-m-Toluamida) são os mais populares de todos, e são recomendados para adultos e crianças com mais de 2 meses de idade, permanecendo eficientes por várias horas. Repelentes com baixas quantidades de DEET oferecem proteções de curto-prazo, e precisam ser aplicados de forma regular.
  • Repelentes contendo até 15% de picaridina, que precisam ser aplicados regularmente, podem ser encontrados no Brasil. A picaridina não tem odor, passa uma sensação agradável e não plastifica como o DEET. Estudos demonstram que ele repele mosquitos tão bem quanto o DEET, e pode ser aplicado em crianças maiores de 2 meses.
  • Proteja crianças com menos de 2 meses de idade ao usar um carrinho protegido com redes antimosquitos em vez de usar repelente.

Use um repelente feito de óleos

O uso seguro de repelentes manufaturados quimicamente através da combinação de compostos sintéticos em laboratório vem sendo questionado, e há muitas soluções naturais que substituem tais fórmulas. O óleo de citronela, o óleo de canela e o óleo de rícino aparentemente mantêm mosquitos longe. A maioria dos repelentes naturais exige aplicação mais frequente que os componentes químicos.

  • O óleo de eucalipto limão é vendido com o nome de Repel. Repel é uma fórmula contendo 40% de óleo de eucalipto e possui um agradável aroma. Ele não possui propriedades plastificantes. Também é eficiente para repelir carrapatos.
  • O óleo da árvore do chá é outro repelente natural útil. Procure por repelentes comerciais que o possuem.
  • Experimente sabões repelentes. Pesquisadores da Austrália e da China vem trabalhando muito nas últimas décadas para encontrar um repelente competente e conseguiram elaborar sabões assim. O sabão é um produto completamente natural feito de um grupo de poderosos óleos naturais que podem ajudá-lo a mantê-lo safo do ataque de mosquitos durante acampamentos ou no trabalho.

Utilize roupas folgadas e que cubram seu corpo

Camisetas de mangas compridas e calças longas lhe protegerão de mosquitos quando você estiver fora de casa. Cobrir a pele é vital para repelir mosquitos.

  • Você também pode borrifar repelentes contendo permetrina ou outros compostos químicos do gênero nas roupas para obter maior proteção. Não use permetrina diretamente em sua pele.
  • Evite usar roupas escuras e pesadas em climas quentes. Mosquitos são atraídos por corpos quentes – portanto, permanecer com o corpo gelado é um jeito eficiente de evitar picadas. Os mosquitos também parecem gostar de preto, azul e vermelho.
  • Não use perfumes quando sair de casa em estações de mosquitos. Mosquitos são atraídos pelo suor, mas o ato de suar pode mascarar compostos que atraem ainda mais os insetos – como perfumes.

Use redes contra mosquitos para se proteger à noite

Se você estiver dormindo numa área infestada por mosquitos, pegue uma rede e passe-a ao redor da cama/colchão, deixando-a chegar até o chão em todos os lados. Esse é o único jeito eficiente de realmente impedi-los de picá-lo, especialmente se houver janelas ou portas abertas no local.

  • Verifique a rede para encontrar buracos regularmente. Até mesmo redes longas podem conter buracos, que servem de entrada para os mosquitos.
  • Certifique-se de que você não esteja tocando na rede durante o sono.
  • Canis e outros refúgios para animais também devem ser cobertos por redinhas quando houver uma infestação de mosquitos.

Repelindo-os de seu quintal

Cultive algum alho em seu quintal

A ciência ainda não comprovou que comer alho diariamente repele mosquitos. Porém, algumas pessoas acreditam que ele tem capacidade de ser usado como barreira. Visto que o alho é delicioso, não deve ser prejudicial cultivá-lo. Ainda assim, não confie nele como a única fonte repelente de pestes.

  • Plante alho ao redor de sua casa para repelir mosquitos. Ele pode ser integrado ao redor de sua casa, nos balcões, etc.
  • O alho em pó de seu mercadinho local, se espalhado por todo quintal, pode criar um ótimo repelente de mosquitos. Espalhe um pouco mais na varanda e no pátio. Isso pode proteger animais de estimação se eles dormirem em tais áreas.

Remova qualquer fonte de água parada em seu quintal

Mosquitos normalmente são atraídos pela água, especialmente a parada. Exemplos de lugares em que mosquitos se procriam incluem pneus velhos, poças em estradas, calhas entupidas, lagos não-filtrados, vasos vazios e qualquer item que possa segurar água por mais que alguns dias .

  • Use uma vassoura para distribuir a água de pequenas poças em superfícies lisas. Use um sifão para lidar com poças maiores.
  • Se você perceber que os mosquitos se procriam em água parada de buracos de rua, falhas de drenagem, poças ou outras coisas que fujam de seu controle, ligue para a autoridade pública responsável para explicar o problema.
  • Se não for possível remover a fonte de água em particular, coloque um pouco de grãos de Bacillus thuringiensis israelensis (BTI) na água. O BTI é uma espécie de bactéria que funciona como larvicida e mata as larvas de mosquitos numa janela de tempo de um mês. Além do mais, a substância é atóxica para crianças e animais .

DICAS

  • Lençóis mais secos (passados ou secos) comprovadamente, segundo múltiplos estudos, não diminuem o efeito ou o número das picadas de mosquitos.
  • Se você vive (ou viajou a uma área em que) num lugar com uma infestação particularmente grande de mosquitos, considere comprar redinhas.
  • A lavanda é ótima para repelir mosquitos, assim como o óleo de lavanda.
  • Use citronela.
  • Pendurar sacos plásticos fechados e claros de água com uma pequena entrada em qualquer lugar desejado capturará moscas, e não mosquitos, abelhas, vespas ou pulgas.
  • Use as redes de mosquitos tratadas e não-tratadas para manter os insetos longe.

AVISOS

  • Velas/óleo de citronela em tochas tiki podem não funcionar de maneira tão diferente quanto velas que emitem calor, umidade e dióxido de carbono – elementos que atraem mosquitos.
  • Teorias de Vitamina B são interessantes (e a Vitamina B não causa mal à maioria das pessoas). Porém, as teorias da eficiência da vitamina no combate aos mosquitos permanecem incomprovadas.
  • Algumas vezes, mosquitos desenvolvem imunidade a certas marcas de repelente

Fonte: Panorama

Aumentam as pragas, aumentam também as doenças

As pragas urbanas como ratos, mosquitos, baratas, cupins, escorpiões, carrapatos, formigas e outros bichos aparecem sempre em maior incidência nos períodos mais quentes.

Esse grande incômodo acontece em lugares com facilidade de acesso a comida, água e proteção para as pragas. E o que deve ser dito a respeito dessas pragas é que, além causarem desconforto e prejuízos materiais em casa ou no trabalho, são também vetores de várias doenças perigosas para nossa saúde e a de nossa família.
O aumento da proliferação também está relacionado com o ciclo de vida dos animais. Eles não conseguem manter a temperatura do corpo deixando as atividades de busca por alimento e reprodução para o calor. As baratas e formigas são um exemplo disso. Mas tudo isso não livra de culpa o ser humano. O desequilíbrio do meio ambiente desencadeado pela ação degradante das pessoas causa uma defasagem nas necessidades de toda a cadeia.
O problema da proliferação de pragas é uma questão séria nos meios urbanos, mas ainda assim, há cuidados que podemos ter para evitar maiores problemas tais como manter as lixeiras sempre bem vedadas, manter terreiros limpos, guardar alimentos devidamente e, o mais importante, contratar uma empresa confiável e qualificada para manter dedetização da sua casa ou empresa em dia.   

Sangue humano, a preferência dos mosquitos

A sabedoria popular sempre deu o tom: “tem gente que tem o sangue doce”.

 
O dito tem lá seu sentido quando o assunto é a escolha dos mosquitos. É sabido que eles têm mesmo preferência pelo sangue humano, este, dentre o de todos os outros animais, é mesmo o mais doce, mais atraente, para eles. Isso significa que os mosquitos sabem muito bem nos diferenciar dos outros animais, e que somos sua preferência alimentar.
Falando do Aedes aegypti, a sua fixação pelo sangue humano é uma das adaptações do comportamento desse mosquito que saiu da África e se instalou nos cenários urbanos. Durante seu tempo de convivência em lugares variados, os mosquitos adquiriram hábitos em torno das habitações humanas e a preferência alimentar por ele. Um perigo!
Por isso, a dedetização é tão importante. Com uma dedetizadora preparada, equipe qualificada e produtos certificados pelo Ministério da Saúde, os mosquitos ficam longe de você e a sua saúde e a da sua família, em dia.

Evite a proliferação do mosquito da dengue

Verdade seja dita: qualquer local em que se possa acumular água parada é um potencial multiplicador de focos do mosquito da dengue. O Aedes aegypti pode desenvolver em caixas d`água mal vedadas, garrafas, pneus, pratos de plantas, latas vazias, cacos, plásticos, calhas, piscinas sem tratamento, lixo acumulado em geral. Ou seja, são muitas as chances de termos em casa vários criadouros dessa praga. Então, já sabe onde está o perigo maior, não?
É sabido que 90% dos focos do mosquito sejam domésticos. As armadilhas e as soluções como velas de citronela e repelentes apenas mantêm os animais afastados por tempo e alcance restritos e determinados. Para evitar ou eliminar a proliferação do mosquito, troque a água dos pratos das plantas uma vez por semana ou encha-o de areia. É importante lavá-lo bem para retirar os ovos. O mesmo vale para qualquer outra superfície que acumule água.
Pneus devem sempre ser mantidos secos e cobertos, latas de lixo muito bem tampadas e vasilhas, garrafas, latas e demais recipientes com a boca virada para baixo. Além disso, é fundamental ressaltar o importante papel de uma dedetização feita por uma empresa confiável e uma equipe altamente qualificada.

FORMIGAS – ATÉ QUE PONTO ESSES INSETOS DEVEM SER COMBATIDOS?

Texto do Biólog Insetan José Júnio Silva
 
Com exceção dos círculos polares o número de insetos é expressivo em todo mundo,
mas para muitos essa informação ainda é pouco conhecida. As formigas está entres
os insetos mais populares entre as pessoas, isso porque frequentemente encontramos
elas “passeando” sob mobiliário, utensílios, eletrodomésticos, etc. Estudos estimam
que as formigas apesar de pertencerem a uma única família (Hymenoptera)
representam entre 30 e 50% da biomassa animal de toda floresta amazônica, além de
apresentarem cerca de 13.000 espécies distribuída em todo mundo.
Todas as formigas, assim como algumas vespas, abelhas e cupins são insetos
eusociais, isto é, apresentam divisão de trabalho em sua colônia, assim é possível
observar indivíduos que trabalham na manutenção e proteção da colônias, indivíduos
que cuidam da prole e indivíduos jovens que cuidam dos indivíduos mais velhos.
Algumas formigas adaptadas a viver nos ambientes urbanos provocam desde
incômodos através de picadas até agravos a saúde, uma vez que transportam
passivamente microrganismos em seu corpo. Diversos estudos relacionados a
mirmecofauna (fauna de formigas) apontam que elas desempenham diversas funções,
como dispersar sementes, reciclar nutrientes e herbívoria da vegetação. Quando
instaladas em residências, industrias, comércios e hospitais as formigas provocam
prejuízo econômico pois comprometem mobiliários, danificam eletrônicos e atacam
matéria prima além de atuar passivamente como agente veiculador de
microorganismos patogênicos.
O controle de formigas varia de acordo com a espécie envolvida, do tipo de infestação
e da localização do ninho. A identificação da espécie auxilia no controle e facilita o
encontro do ninho. Uma vez localizado o ninho, este pode ser eliminado com o uso de
inseticida líquido ou aerossol convencional.
Quando constatado a presença das formigas essas devem ser controladas
rapidamente por profissionais treinados, pois a inexperiência pode aumentar o nível da
infestação. Matar as formigas, que são vistas forrageando, com inseticidas em forma
de aerossol dificilmente resulta em bons resultados; ao contrário, na maioria das
vezes, propicia a fragmentação das colônias provocando aumento da infestação.
Iscas atrativas compostas de inseticida produzem ótimos resultados; no entanto, o
ingrediente ativo deve ter baixa concentração e não deve matar por contato. O objetivo
destes produtos é que as formigas operarias carreguem a isca e depois, distribuam
para os demais membros da colônia.
Alguns cuidados podem ser tomados a fim de se evitar a presença das formigas, tais
como: não deixar migalhas de doces, pães e biscoitos pelo chão, fechar bem os
alimentos, eliminar fendas e frestas as quais podem ser utilizadas como ponto de
nidificação.
 
 
Referências:
Zarzuela M. F. M., Ribeiro M. C. C., Campos-Farinha A. E. C. Distribuição de formigas
urbanas em um hospital da Região Sudeste do Brasil. Arq. Inst. Biol. 69 (1): 85-7.
2002;
BACCARO F. B. et. al. Guia para os gêneros de formigas do Brasil. Editora INPA,
Manaus, 2016.
Bueno O., C., Campos-Farinha., A E C (1998) Formigas urbanas: comportamento das
espécies que invadem as cidades brasileiras. Rev. Vet. Pragas 2: 13-16.

Cuidado! Pessoas com sangue tipo O devem ter preocupação extra com mosquitos

Existem diferentes fatores que nos deixam mais atraentes para os mosquitos. Alguns destes fatores podemos controlar (cores da roupa, por exemplo); outro, não. Estamos falando do nosso tipo sanguíneo. Você sabia que um tipo específico é mais atraente para estes insetos chatos e sugadores de sangue?

Tipo sanguíneo que atrai mais mosquito

Estamos falando do tipo O. Se o seu sangue tem este tipo, é bem provável que você sofra mais com as picadas do que amigos e parentes dos tipos A ou B. Desde o começo dos anos 70, cientistas vêm mostrando por experiências simples, como colocar voluntários de tipos sanguíneos diferentes em contato com centenas de mosquito, que os de tipo O atraem mais estes insetos.

Ainda não se sabe ao certo o porquê desta preferência dos pernilongos por pessoas de sangue tipo O. É provável que tenha a ver com a quantidade de sacarídeos (açúcares) eliminados pela pele.
Portanto, se o seu sangue é do tipo O, melhor se prevenir e caprichar no repelente.

Do que mais o mosquito gosta?

Outro fator comprovado pela ciência é que consumir cerveja também deixa a pessoa mais atraente para os mosquitos. E não precisa ser muita breja, não! Apenas uma latinha já é o suficiente para os pernilongos irem pra cima!

 Acreditava-se que isso se devia ao maior nível de açúcares eliminados por quem consome a bebida, ou mesmo por um discreto aumento na temperatura corporal, mas estes fatos ainda não foram comprovados.

Além da cervejinha, o uso de roupas escuras também deixa a pessoa mais “apetitosa” para os mosquitos. Recomenda-se o uso de roupas brancas, especialmente por mulheres grávidas (cuja temperatura corporal fica ligeiramente acima do normal, um outro fator de atração para os mosquitos).

A prática de exercícios físicos também é atraente para picadas. Afinal, ao se exercitar, a pessoa sua, fica mais quente e elimina mais dióxido de carbono pela respiração. Tudo isso é um prato cheio para o “radar” destes insetos.
 
Fonte: http://www.vix.com/pt/ciencia/535673/cuidado-pessoas-com-sangue-tipo-o-devem-ter-preocupacao-extra-com-mosquitos