Ratazanas infestam calçada e vídeo repercute na web

Ratazanas infestam calçada e vídeo repercute na web

Um vídeo que circula na internet vem causando grande repercussão ao redor do mundo. Ele mostra um grupo de trabalhadores removendo o concreto de uma calçada, quando foram surpreendidos por dezenas de roedores surgindo debaixo da terra.

Não se sabe precisar o lugar exato onde o vídeo foi feito. No entanto, por falarem português, é possível que o vídeo tenha sido feito no Brasil. O site do jornal britânico The Daily Mirror anuncia “Dezenas de ratos são descobertos debaixo de chão quando trabalhadores cavam concreto”. No youtube, o video possui milhares de visualizações.

Segundo a bióloga e responsável técnica da Insetan, Viviane Avelar, os ratos mostrados no vídeo são ratazanas, que estão saindo de suas tocas que estavam abaixo da calçada. Para ela, a quantidade de ratos é absurda.

É provável que exista, próximo ao local, uma grande quantidade de alimento disponível. Segundo a bióloga, “qualquer espécie que encontra alimento farto, abrigo e água tem muito mais facilidade para se reproduzir”. A cada nova ninhada, é possível que nasçam até 12 filhotes e o tempo de gestação desses mamíferos é entre 19 e 25 dias, ou seja, quando a disponibilidade de alimento é farta, uma grande infestação, como a que é possível verificar no vídeo, acontece em pouco tempo.

Em outros casos, quando a disponibilidade de alimento é escassa, o contrário acontece. As ratazanas, assim como outros roedores, possuem mecanismos para controlar populações, como por exemplo, a redução da fertilidade e fecundidade das fêmeas, supressão de cios e até mesmo o canibalismo, que ocorre com o intuito de eliminar ratos doentes ou machucados ou mesmo filhotes de outras colônias.

Como podemos comprovar no vídeo, as ratazanas são extremamente ariscas. Segundo a Responsável Técnica da Insetan, “as ratazanas são extremamente bravas, podem até morder as pessoas, e são capazes de transmitir doenças graves como a leptospirose, peste bubônica, hantavirose, tifo murino, febre da mordida do rato, triquinose, raiva, salmonelose, sarnas, micoses.

Tratamento para ratos e ratazanas

No combate a roedores, deve ser utilizado raticidas anticoagulantes, que são permitidos pelo Ministério da Saúde. “Matam por hemorragia interna, de cinco a sete dias depois que o roedor ingere o raticida”, esclarece.

Muitas pessoas, no entanto, utilizam chumbinho que é de altíssimo risco para as pessoas e animais de estimação e para agravar a situação, é proibido por lei. Além disso, o chumbinho piora o problema da infestação causada por roedores, segundo ela. “Os ratos vivem em colônias e são desconfiados. Quem experimenta primeiro o alimento não é o roedor reprodutor e o dominante, mas sim os filhotes, os velhos e com alguma doença. Quando eles experimentam e morrem imediatamente, os outros não comem. Com isso, há um desequilíbrio na colônia e o reprodutor compensa a perda desse indivíduo cobrindo fêmeas e tendo um número maior de filhotes”, explica.

Infestação de ratos em Belo Horizonte

Há cerca de duas semanas, o jornal Estado de Minas flagrou uma grande infestação de roedores nas ruas em cruzamento do centro de BH. Comerciantes afirmam que a situação é recorrente. A bióloga da Insetan, não descarta a possibilidade de termos, na região central da capital mineira, infestações semelhante a observada no vídeo.

Segundo a reportagem, a Secretaria de Saúde de Belo Horizonte afirmou que o controle de roedores na capital é realizado em ações programadas em áreas de maior infestações. O serviço pode ser solicitado por meio do telefone 156. Na capital, são três espécies mais comuns de ratos: de telhado, camundongos e ratazanas, que foram mostradas neste vídeo.

Deixe seu comentário

+ 9 = 12