Cientistas usam legos para fotografar insetos

Cientistas usam legos para fotografar insetos

Como é que os cientistas que estudam insetos – entomologistas – podem fotografar os objetos de estudo de todos os ângulos possíveis sem perder nenhum pormenor dos pelos e olhos complexos? E se nesta equação ainda juntarmos exemplares de museu com mais de 300 anos? A resposta é simples: socorrendo-se da ajuda de uma estrutura de Lego.

Com esta técnica, o Museu de História Natural de Londres espera fotografar 20 milhões de espécimes nos próximos cinco anos para os disponibilizar online. Além da simplicidade da estrutura, o baixo custo também é importante, permitindo que entomólogos com menos recursos financeiros ou estudantes o possam usar também, como refere o comunicado de imprensa. É tão prático que o museu Smithsonian, nos Estados Unidos, conseguiu fotografar 40 mil abelhões em 40 dias.

A estrutura assemelha-se às arestas de um cubo. No interior, o inseto está preso a outra estrutura que lhe permite rodar sobre si próprio e girar em torno do eixo. Desta forma, os investigadores não têm de estar sempre a reajustar a posição do suporte, demorando menos tempo e correndo menos riscos de estragar os frágeis insetos.

A ideia é simultaneamente tão inovadora, valendo uma publicação na revista científica Zookeys, como simples de montar e utilizar – as instruções estão disponíveis a página do museu. “É um protótipo funcional. É bom, é durável e é realmente barato. As peças podem ser encomendadas em qualquer parte do mundo e todos o podem construir”, disse Steen Dupont, entomologista do museu, citado por The Atlantic. Mas para Jonathan Coddington, curador no Smithsonian, não é tanto a redução do preço que é importante, mas “ter uma máquina capaz de fazer o que se queira que ela faça”.

Os equipamentos que existiam para tirar este tipo de fotografias eram mais caros e menos práticos. Com os Legos, os entomólogos conseguem criar estruturas tão pequenas que podem ser encaixadas num microscópio ou tão versáteis que podem acomodar um telemóvel. E ainda assim ser fácil de montar – uma estrutura com 150 peças pode montar-se em 10 minutos. No futuro, Steen Dupont espera conseguir acoplar uma fonte de luz.

Apesar de muitos de nós termos brincado com Legos na infância, eventualmente até com os avançados Techno, fica no ar a dúvida: como é que Steen Dupont teve esta ideia? “Sou dinamarquês. E os dinamarqueses são muito orgulhosos do seu Lego e eu cresci a brincar com Legos”, conta o entomologista.

Fonte: Observador 

Deixe seu comentário

45 - 40 =