Câmera inspirada nos olhos dos insetos

A natureza é, sem dúvida, uma riquíssima fonte de inspiração. Prova disso é o fato de insetos terem sido o ponto de partida para a ideia de uma câmera digital. Falando mais claramente: existem câmeras fotográficas inspiradas nos olhos de alguns insetos.
 
Os pares de olhos compostos como os das libélulas e das formigas foram o ponto de partida por parte de alguns cientistas para a criação de uma câmera cujas lentes possuem uma profundidade de campo e visão estupendos. A ideia é que o equipamento tenha diversas aplicações em várias áreas do conhecimento.

A câmera é equipada com 180 microlentes flexíveis que têm capacidade de captura de 160 graus, o que se aproxima da visão dos insetos. O design da câmera também lembra os olhos desses animais: possuem um desenho semiesférico.

O homem do saco

Havia dias que as crianças do bairro o olhavam apreensivos. O que era no mínimo estranho já que sempre foi a alegria das crianças com suas histórias de exterminador. Todos os dias elas o aguardam, meio que escondidos, meio que cheios de coragem, para vê-lo atravessar a rua. Quando ele passava, o burburinho começavam elas se empertigavam atrás dos postes, se esgueiravam por trás das moitas, escondiam-se nas varandas. O que estava acontecendo com aquelas crianças? Ou, o que teria acontecido consigo mesmo? Será que, com o passar do tempo, ele havia adquirido um aspecto assustador? Será que suas histórias estavam começando a assustar as pessoas?

Naquele dia, quando mais uma vez atravessava a rua partindo para mais uma aventura de dedetização, passou pelo banco, onde todos os dias, Antônio, um antigo carpinteiro da cidade se sentava para fumar seu cachimbo. Antônio era famoso por carregar sempre consigo um grande saco com pesadas alças de corda. Ele também havia notado a estranha movimentação das crianças. E bastou virar as costas para mais uma vez escutar os cochichos dos pequenos.

Para a surpresa do Exterminador e de Antônio, para quem as crianças olhavam curiosas, os garotos se aproximaram, trêmulos, até um deles alcançar os ouvidos do Exterminador para sussurrar: “É verdade que ele coloca as crianças dentro daquele saco?”. Ao que o Exterminador, em meio a risadas abafadas, pegou nas mãos o saco de Antônio, e quando o abriu, as crianças respiraram aliviadas. Havia ali inúmeros vidros de inseticidas para cupins que nunca funcionaram.

Todos dias, Antônio senta-se ali carregando um enorme saco para pedir conselhos ao Exterminador.

Jingle da Insetan

A gente sempre dá um jeito de ficar mais pertinho de você e de apresentar nosso trabalho para quem ainda não nos conhece. Por isso, desde o dia 1° de dezembro, a Insetan está veiculando seu jingle nas principais rádios da grande BH. Aperte o play e confira a letra da música para você cantar junto com a gente:



Se tem barata e formiga

pertinho de você.

Liga lá pra resolver.

Se tem mosquito a voar

ou se um rato aparecer

Dedetizamos sua casa,

escritório ou Buffet

Pode ligar, pode chamar

vem conhecer

Insetan com vc

3423-2500

Liga pra resolver

3423-2500

Insetan com você.

Alarme falso

As férias de escolares finalmente chegaram, e a criançada já tinha planejado todas as brincadeiras para que nenhuma chance de se divertir fosse perdida. E o primeiro dia da programação tinha tudo para começar bem: um dia inteiro no parque de diversões. E assim, não cabendo em si de ansiedade, partiram para a primeira grande aventura das férias.

Logo na portaria, entretanto, um movimento incomum fez com que todos ficassem à porta. O que parecia ser todas as pessoas presentes no parque, desataram a correr para fora dele. Elas iam em todas direções, assustadas, os olhos arregalados, era como se um monstro estivesse à solta lá dentro.
Cada vez mais o parque se esvaziava. De fato, ninguém parecia querer ficar e aproveitar o dia. Antes que pudessem se perguntar o que acontecia, entretanto, um garoto de um pouco mais de um metro e meio gritava: “escorpiões! escorpiões! Corram!”. Só mesmo uma infestação de escorpiões poderia assustar tanto as crianças a ponto de as fazer abandonar um parque.

Um pouco mais tarde, porém, o Exterminador apareceu, apressado e um pouco aflito. Entrou correndo pelo parque e, surpreendentemente, saiu pouquíssimo tempo depois. O curioso era que trazia um garoto nos braços que se debatia e gritava, contrariado.
“Podem voltar todos para o parque. Este pestinha espalhou escorpiões de plástico para assustar todos e ter os brinquedos livres só para ele”.

Projeto Verão

Toda véspera de verão é a mesma coisa: academias lotadas de gente buscando uma barrigatanquinho, um corpinho sem gordurinhas e que caiba em roupas de banho tamanho P. E no verão de qual falamos, portanto, não seria diferente. Até mesmo o Exterminador, na ânsia de aproveitar a estação, se inscreveu nas aulas de aeróbica. Quando o verão começasse, ele estaria pronto.
Na primeira aula, já imaginava como estaria dali a 1 mês, pensava em si exibindo músculos e pernas fortes. Teve a impressão que todos ali estavam, de certa forma, projetando imagens de cada beleza ideal para si. Depois de mais algum tempo, o professor entra na sala, tão animado como um professor de aeróbica deveria ser. Todos a postos, os movimentos começaram suaves, apenas um braço para cima e a perna flexionada. Dali a um minuto, eram dois braços para cima e as duas pernas flexionadas. Depois uma lenta cambalhota, alguns pulinhos, polichinelos, flexões e de repente tudo está acelerado.
O professor se levanta de um salto, espalma as duas mãos e uma série de movimentos espasmódicos começa e recomeça. Todos copiam, inclusive o Exterminador, um tanto confuso. Pouco tempo depois o cenário é de um grupo amalucado, dançando um sapateado sem forma e sem ritmo. Aquilo, definitivamente deixara de ser uma aula de aeróbica normal.
Até que, entre um tapa e outro no ar, o Exterminador apura o olhar e se dá conta. Caminha até o tablado onde o professor se torcia e contorcia no ar e agarra algo que parecia ser muito pequeno. Um pernilongo se deixou capturar entre dois de seus dedos enquanto e professor bufava deitado de barriga no chão.

Surpresa

Verão. A época de chuva chega e os mosquitos estão à toda. A vizinhança inteira se mobiliza para acabar com a proliferação do Aedes aegypti. Areia colocada nos pratos de plantas secos, pneus sem água acumulada, lixo cuidadosamente vedado, telas nas janelas, calhas limpas, nenhum vestígio de água parada ou entulho servindo de criadouros. Parece que já haviam aprendido tudo, estava tudo em ordem, o que deixou o Exterminador um tanto surpreso com o chamado.
Chegou logo depois de desligar o telefone. O bairro, antes quieto, silencioso e calmo, estava em polvorosa. As pessoas andavam de um lado para o outro carregando flores, comida, objetos, parecia que um grande evento estava sendo preparado. Mulheres andavam apressadas arrastando os filhos, homens carregando utensílios de cozinha e bandejas cobertas também corriam se esforçando para cumprir algum prazo importante.
O mais impressionante, porém, era o espanto com que ele foi recebido, era como se estivesse adiantado demais para algum compromisso. Ao passar, percebia as pessoas cochichando, gesticulando, sussurrando uns para os outros. Ao chegar na praça do bairro, foi convidado, muito nervosamente pelo padeiro, a entrar no galpão principal.
Tudo escuro, nem um pio, embora desconfiasse de certa movimentação. Por que será que foi chamado? Que tipo de infestação tinha deixado a vizinhança tão inquieta? Por que ninguém explicava nada? Mas o Exterminador não precisou esperar muito. Quando as luzes se acenderam, todos os moradores o aplaudiam, seguravam faixas, cartazes e flores em sinal de agradecimento.
– Por ter nos ensinado a ficar livre dos mosquitos– disseram todos numa confusão de abraços.

O curioso besouro de ouro

Não é joia, não é ficção, é vida real. Com uma estrutura corporal que lembra a das tartarugas, os besouros da espécie Charidotella sexpunctata têm uma coloração dourada semelhante ao ouro, o que lhes rendeu o nome popular de Golden Tortoise Beetle (Besouro Tartaruga Dourado, em tradução livre).
Essa espécie de inseto típica da América do Norte tem o corpo protegido por uma película transparente, o que o torna ainda mais peculiar, pois permite uma mudança de cor causada pelo líquido que cobre essa camada incolor. Se essa camada sofre alguma alteração (por exemplo quando o inseto está na época do acasalamento), o líquido reflete as mudanças de cores do besouro, que pode se  mostrar azul, verde, alaranjado com manchas pretas ou castanho.
Com tamanho inferior a um centímetro, o besouro de ouro pode ser encontrado nas folhas da planta Glória-da-manhã, um tipo de flor da qual ele se alimenta e que se abre de manhã e morre antes de anoitecer.
Você pode ver outras fotos desse inseto neste site.
Com informações do site Top Biologia.

Marcha contra os cupins

Se você acessa o Facebook com frequência é muito provável que tenha percebido dezenas de eventos estranhos aparecendo de repente. E nem os insetos escaparam dessa moda de marcar comemorações inexistentes.

marcha_bichinhos_luz

A “Marcha Contra Bichinhos de Luz” é um desses vários falsos eventos que se espalharam pelo Facebook nos últimos dias. O objetivo é simples: lutar contra os insetos que ficam rodeando as lâmpadas principalmente nos períodos mais quentes do ano. Os “bichinhos de luz”, aliás, são chamados também de “aleluias”, mas nós já explicamos aqui no blog que não passam de cupins com asas.
Se você tem Facebook pode até ficar tentado a registrar seu apoio à causa, mas o melhor jeito de acabar com os “bichinhos de luz” ainda é a dedetização. Então em vez de marchar contra eles que tal fazer um orçamento e dedetizar sua casa?

O mistério da libélula

A libélula é o elo misterioso de uma história de suspense americana. Lançado em 2002, o filme “Dragonfly” (libélula em inglês) foi traduzido para os cinemas brasileiros como “O Mistério da Libélula” – tradução muito adequada nesse caso.
É claro que não contaremos toda a história aqui, mas vamos deixar um resumo para atiçar sua vontade de assistir. O filme acontece em torno da vida de um casal de médicos cuja mulher tem uma forte ligação com as libélulas. Na casa deles há vários objetos com esse tema: imagens, fotos, enfeites. E são as memórias atreladas a esse inseto que conduzem o filme. Uma história de suspense e amor que você não pode perder!

libelula

Mate as formigas do seu telefone

Como não há limites para a criatividade os insetos também não escaparam da moda dos smartphones. No jogo “Esmaga Formiga” o objetivo é esse mesmo: matar as formigas que passam pela tela do seu aparelho. Para cumprir a missão não precisa pegar seu chinelo e nem chamar a Insetan para dedetizar: basta usar o dedo e ir tocando as formigas que aparecem na tela para esmagá-las.
Pra provar o quanto esse jogo é fácil e divertido, um garoto gravou um sapo brincando de esmagar as formigas. No vídeo elas não são as únicas que se dão mal… assista:

Se você tem um telefone com sistema operacional Android o aplicativo pode ser baixado gratuitamente acessando a loja de aplicativos Google Play.