Pergunte ao Especialista: Como acabar com as larvas que apareceram na minha casa por causa de um pombo morto?

Seja bem-vindo à seção “Pergunte ao Especialista”. Aqui você tira todas as suas dúvidas sobre insetos e pragas urbanas. Mande suas perguntas para a gente!

Foto: Emídio Marques (divulgação/internet)
Foto: Emídio Marques (divulgação/internet)

Dúvida:
Tem um pombo morto em minha casa e há uns dois dias vejo algo de estranho: minha casa está infestada de larvas de pombo e eu não sei mais o que fazer. Estou desesperada.
Pergunta enviada por Jamile.
Resposta:
Para solucionar o problema apresentado você deve retirar o cadáver do pombo e descartá-lo. As larvas que você observou podem ser larvas de moscas necrófagas, então ao remover o pombo morto por consequência você eliminará as larvas. Após esse procedimento o local deve passar por higienização completa com solução de cloro ou produto similar.
Clique aqui para ler tudo o que já publicamos em nosso blog sobre pombos.

A publicidade e as larvas

O palco foi a Galeria do Rock, na região central de São Paulo. O cenário era um cartaz publicitário. E as protagonistas eram dezenas de larvas. Parece nojento e estranho, mas tudo fez parte de uma ação publicitária para alertar as pessoas sobre os riscos do uso do crack. Deu certo.
Criada pela agência Talent, a iniciativa da Associação Parceria Contra Drogas colocou dois cartazes nos corredores da Galeria do Rock, ponto de encontro dos jovens paulistanos, localizada em uma área com forte presença do tráfico de drogas. Impressos em uma espécie de massa de trigo, os cartazes eram devorados ao vivo por várias larvas do tipo tenébrio, o chamado “bicho-da-farinha”. O objetivo: mostrar para as pessoas de uma forma simulada, porém visível, como o crack destrói o usuário aos poucos. A ideia foi inusitada e forte, mas no fim conquistou a meta e atraiu a atenção das pessoas.

larvas_cartaz

Com informações do site Hypeness

Está com fome? Coma insetos!

A entomofagia é o hábito de consumir insetos, aracnídeos e outros artrópodes. Muito comum em algumas partes do mundo, como Ásia, África e América Central, esse hábito foi cogitado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como forma de combater o problema mundial da fome.
A ideia da ONU, através de sua Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), é estimular as pessoas a introduzirem os insetos em sua alimentação como forma de suprir as necessidades diárias de proteínas. Além disso, o consumo de insetos poderia proporcionar a redução da produção de carne – uma preocupação ambiental já que esse mercado é responsável por cerca de 20% de todo o CO² emitido no mundo.
Consumir insetos pode ser um hábito saudável e ecologicamente correto. De acordo com a FAO cada 100g de lagarta seca contém 53 gramas de proteínas, alto valor energético e maior proporção de proteínas e gorduras do que carne de boi ou peixe. Em contrapartida, biólogos não são a favor da ideia e defendem a redução das áreas ocupadas pela pecuária para ocupação por plantações. O argumento desses profissionais é que seria necessário matar muitos insetos para alimentar os seres humanos, então nesse caso seria mais fácil consumir vegetais, que também possuem muitas proteínas e não são nocivos aos bichos que dividem o planeta com a raça humana.
Outra questão levantada pelos biólogos contra a expansão do consumo de insetos é que nem todas as espécies são comestíveis e algumas são até mesmo tóxicas. Além disso, a textura, cor e estrutura de alguns desses bichinhos não são muito agradáveis ao paladar humano.
E aí, arrisca um espetinho de larvas?

Fried Crickets and Larva
Espeto de grilos fritos e larvas. Está servido?
Crédito da foto: Corbis Images

Com informações do portal de notícias Terra