O uso de produtos domissanitários é obrigatório no controle de pragas urbanas. Entenda mais sobre eles.

Quando falamos no tratamento de ambientes e no Controle Integrado de Pragas Urbanas, ouvimos muito falar em produtos químicos domissanitários.
Estes produtos são as substâncias que devem ser usadas para higienização e desinfecção domiciliar. Não importa se o trabalho está sendo realizado em ambientes coletivos, públicos ou em lugares de uso comum. Não significa, porém, que todos os produtos chamados de domissanitários sejam de uso doméstico.  A utilização destes produtos é obrigatória no Controle de Pragas Urbanas.
Existem alguns saneantes domissanitários, como os detergentes, alvejantes, amaciante de tecido, ceras, limpa móveis, limpa vidros, polidores de sapatos, removedores, sabões, desinfetantes, produtos para tratamento de água para piscina, água sanitária, inseticidas, raticidas, repelentes, dentre outros que podem ser comprados pela população em geral (uso domiciliar). Outros, no entanto, podem apenas ser utilizados por profissionais treinados (uso institucional e uso profissional).
Isso porque muitos destes produtos podem causar acidentes e danos à saúde das pessoas e animais apresentando diversos graus de toxidade. Para o controle de pragas são utilizados os desinfetantes domissanitários, como raticidas, inseticidas, repelentes, etc. (RDC 326/05)*.
Segundo as Normas Técnicas para empresas prestadoras de serviços em Controle de Vetores e Urbanas, da Vigilância Sanitária, “o serviço de controle de vetores e pragas envolvendo a utilização desinfetantes domissanitários de uso profissional, somente poderá ser executado por entidades especializadas devidamente licenciadas junto a Autoridade Sanitária do Estado ou Município.”
canstockphoto10871379
A Fundação PROCON SP recomenda que não se troque os produtos de recipientes e não misture produtos.

Cuidados com os produtos domissanitários autorizados para uso doméstico

A Fundação PROCON SP, recomenda tomar alguns cuidados ao adquirir e conservar produtos domissanitários.
É necessário verificar as informações do rótulo dos produtos como datas de fabricação, validade e número do lote, registro no Ministério da Saúde, quantidade, composição, técnico responsável, dados do fabricante. Além disso, verifique o princípio ativo usado no produto (principalmente no caso de inseticidas).
Os rótulos devem ter ainda o modo de usar, instruções para armazenamento/conservação e providências no caso de acidente (inalação ou ingestão acidental, contato com os olhos e mucosas, etc.);
Nunca compre esse tipo de produto de ambulantes. Produtos não registrados no Ministério da Saúde apresentam riscos à segurança das pessoas.
Sempre guarde estes produtos em locais secos, uma vez que a umidade pode enferrujar recipientes metálicos, longe do alcance de crianças (frascos coloridos chamam a atenção e podem levar a criança a querer ingerir o produto), longe da luz, calor ou aparelhos elétricos (alguns produtos são fotossensíveis e perdem a eficácia se expostos ao sol; outros são inflamáveis e sua exposição ao calor ou faíscas elétricas pode causar risco de incêndio ou explosão).
Em caso de acidentes, leve a vítima e a embalagem do produto causador do problema imediatamente ao pronto socorro mais próximo, para que sejam tomadas as providências necessárias. Não ministre nada à vítima, salvo em caso de orientação médica.
LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DA EMBALAGEM E USO DO PRODUTO, OBSERVANDO OS CUIDADOS NA MANIPULAÇÃO, COMO POR EXEMPLO, INDICAÇÃO DO USO DE LUVAS.
Leia mais no Blog da Insetan
Palavra de Especialista Como acabar com o odor de um produto que utilizei para acabar com cupins
Palavra de Especialista: Repelente Sísmico é eficiente no combate à escorpiões?
Programa de Qualidade Bayer
Com informações de Procon SP e especialistas da Insetan

O que é certo: dedetizar ou detetizar?

Dedetizar ou detetizar?
Muitas pessoas ficam em dúvida sobre a forma correta de usar a palavra dedetizar. Quando falamos nem damos tanta atenção, pois a pronúncia das palavras dedetizar e detetizar são tão parecidas que acabamos confundindo. A maior dúvida da maioria da população surge quando há necessidade de escrever.
Segundo o dicionário Aurélio, a forma correta para se referir à aplicação de inseticidas é dedetizar. O verbo dedetizar vem da palavra dedetização e é um neologismo da substância Dicloro Difenil Tricloretano (popularmente chamado de DDT). O DDT é um pesticida que foi muito usado contra insetos na Segunda Guerra Mundial. Continue lendo “O que é certo: dedetizar ou detetizar?”

Inseticidas caseiros: perigo eminente!


Quando falamos em pragas urbanas, que infestam nossa casa, o uso do inseticida (encontrado em qualquer supermercado hoje em dia) parece ser a solução fácil e definitiva.

Porém, o que a maioria não sabe é que esses produtos, quando mal utilizados, podem até causar problemas para a saúde.

Na verdade, os produtos até solucionam em alguns casos os problemas com mosquitos e outras pragas urbanas , mas todo o cuidado é pouco. Segundo pesquisas norte-americanas, em todo mundo, mais de 80% das casas possuem ou utilizam algum tipo de inseticida caseiro

Os inseticidas domésticos possuem três tipos químicos: piretróide, os carbamatos e os organo-fosforados.

Piretroides

No primeiro caso, os piretróides (os mais comuns no mercado), o grau de toxicidade é bem pequeno. Ele afeta mais as pessoas alérgicas. Mesmo assim a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mantém controle do uso do inseticida em alimentos e na venda comercial.

Em casos de quadro alérgico, a pessoa não deve permanecer no ambiente no momento da aplicação e seu retorno ao local deve ocorrer após 24 horas do produto aplicado, segundo Viviane Alves de Avelar, bióloga responsável técnica da Insetan.

No mercado já existem inseticidas com um odor reduzido, mas, segundo especialistas em toxicologia, isso não significa que os mesmos sejam mais inofensivos à saúde. As mesmas substâncias ainda estão presentes e os mesmos princípios ativos também.

Os carbamatos e os organo-fosforados

Os carbamatos e organo-fosforados são mais nocivos, já que são os mesmos usados na agricultura, mesmo assim ainda é possível encontrá-los a venda. A inalação desses tipos de inseticidas pode causar aumento da secreção nasal, lacrimejação, cólicas, diarréia, tremores e convulsões

Em caso de inalação ou exposição a pele procure um médico o mais rápido possível e leve a embalagem intacta até o hospital. Na embalagem, normalmente, estão especificadas quais as substâncias e o tipo de tratamento indicado.

Mais informações

Para saber mais ligue para o disque-intoxicação, o número é 0800 722 6001. No site Toxicologia você encontra mais informações técnicas sobre os inseticidas além de algumas marcas conhecidas e seus componentes

Uso incorreto de inseticidas pode ocasionar problemas de saúde

Inseticidas

Verão é sinônimo de tempo firme, sol, mar e de se refrescar ao fim do dia com um suco na beira da piscina. Mas, com o verão, as chuvas também chegam, a umidade do ar aumenta e começa o período mais critico de infestação do Aedes Aegypti, o transmissor da dengue.
Para diminuir o ataque dessas pragas urbanas, o inseticida é uma das proteções mais usada pela população, mas, vale ressaltar que esses produtos são tóxicos e merecem um grande cuidado ao serem manipulados.
O Bem Estar, um dos programas mais novos da Rede Globo de Televisão, apresentou hoje, 28 de fevereiro de 2011, uma entrevista com o toxicologista Anthony Wong, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Durante o programa, Wong deu detalhes sobre a forma correta de usar inseticidas, os perigos da utilização desses produtos em ambientes com crianças e animais de estimação e o os sintomas do corpo em caso de intoxicação. Continue lendo “Uso incorreto de inseticidas pode ocasionar problemas de saúde”