Acúmulo de lixo favorece pragas urbanas e doenças

Após uma semana de greve na coleta de lixo de Teresina já foi possível observar a enorme quantidade de lixo domiciliar produzido na cidade. Questões como essa trazem à tona os riscos que o acúmulo de lixo pode trazer à saúde da população e ao meio ambiente, como a produção e proliferação de pragas urbanas.
Entre outros fatores, esse episódio tornou mais clara a necessidade de se pensar no lixo de uma forma ampla, indo além da simples lógica do recolhimento pelas empresas especializadas. Para uma sociedade responsável, é necessário aprofundar o conhecimento e discutir sobre todo o ciclo do lixo, desde a sua produção, seu descarte pelo consumidor, transporte até o seu depósito, feito muitas vezes em áreas distantes dos centros urbanos, em locais onde poucas pessoas vivem ou frequentam.
Uma das principais dessas mazelas diz respeito à ocorrência de vetores e pragas, causadores de grande incômodo na sociedade e milhares de doenças em seres humanos.  Segundo o empresário da multinacional Astral Saúde Ambiental, Ícaro Prado, o acúmulo de lixo é o cenário ideal para a ocorrência e proliferação de pragas que se alimentam de detritos do lixo, tais como ratos, moscas, baratas e pombos.
Além disso, o lixo, quando associado às chuvas típicas do verão, também favorece a proliferação de vetores como o mosquito da dengue, o Aedes aegypti, um dos principais inimigos da saúde pública no Brasil atualmente. Ou seja, a questão do lixo pode ter impactos negativos até mesmo na atual situação endêmica da dengue no Brasil.
As pragas como ratos, baratas, pombos, moscas e até formigas podem carrear microrganismos causadores de doenças graves, como febre tifoide, cólera, hepatite, leptospirose e centenas de outras, além de alergias e doenças gastrointestinais diversas.  Algumas dessas doenças podem levar à morte.
“Por tudo isso é essencial que tenhamos um olhar técnico profissional para a relação entre o lixo e as pragas urbanas. É importante o serviço especializado da filosofia M.I.P (Manejo Integrado de Pragas), que é o controle das pragas sob uma ótica ampla do ambiente, levando em consideração o comportamento e o ciclo biológico da praga e sua relação com o ambiente”, avalia Ícaro Prado
Fonte: Capital Teresina

Pergunte ao Especialista: Como posso acabar com os escorpiões?

Seja bem-vindo à seção “Pergunte ao Especialista”! Aqui você tira todas as suas dúvidas sobre insetos e pragas urbanas. Mande suas perguntas para a gente!
escorpiao_amarelo
 
Dúvida:
Moro na cidade de Americana, em São Paulo, me mudei faz seis meses para uma chácara onde há uma quantidade imensa de escorpiões. Já fui picada três vezes e não procurei o médico; já meu padrinho foi picado, não aguentou de dor e teve que ir para o hospital. Eu tenho três filhos e tenho muito medo deles serem picados. Comprei muitos tipos de veneno, deu uma diminuída, mas ainda continua tendo (há uns tempos atrás matamos seis num único dia). O que devo fazer? Que tipo de veneno devo usar para dar fim nessas pragas? Aguardo resposta. Obrigada.
Pergunta enviada por Tábata
Resposta:
Os escorpiões são animais carnívoros e alimentam-se, no meio urbano, basicamente de baratas (insetos que devem ser controlados juntamente aos escorpiões). O controle deve ser realizado somente com produtos domissanitários que possuem registro na ANVISA para controle de escorpiões, pois estes têm capacidade de perceber a existência de inseticidas comuns no ambiente e podem permanecer no interior de suas “tocas” por um período de até um ano e meio sem se alimentar. Junto a esse controle devem ser adotadas medidas físicas como telagem de ralos e eliminação de fontes de abrigo para que o ambiente torne-se impróprio ao alojamento de pragas oriundas de ambientes não tratados.
Entre em contato com uma empresa de controle de praga que atue em sua região para obter um serviço profissional.