menu

Conheça cinco focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti frequentemente ignorados

 
Com a chegada do verão, aumenta a temperatura e também o risco de transmissão de doenças como a dengue, zika e chikungunya, vírus que têm o mosquito Aedes aegypti como vetor.
O calor faz o ciclo de vida do mosquito se acelerar e também potencializa a multiplicação da virose dentro do mosquito, o que aumenta as chances de contágio por enfermidades.
A BBC Brasil entrevistou Sebastião Amaral Campos, agente da secretaria de Saúde de Piracicaba, no interior de São Paulo, que atua e coordena a linha de frente de combate ao mosquito.
Com ele, procuramos entender onde estão os focos de reprodução frequentemente ignorados e que se tornam um risco ainda maior durante o período das férias.
Campos destacou que o inseto é adaptável e persistente e gosta de água limpa e parada. Ele coloca os ovos nas paredes desses criadouros, bem próximo à superfície da água, porém não diretamente sobre ela. Daí a importância de lavar, com escova ou palha de aço, os objetos onde pode haver focos.
Um ovo pode sobreviver em média por um ano no seco. Mesmo que o local onde ele foi depositado fique sem água, não significa que a ameaça acabou. Assim que encontrar umidade novamente o ovo volta a ficar ativo e pode se transformar em pupa, larva e, então, chegar à fase adulta em até sete dias.
A seguir, cinco locais que merecem atenção especial no combate ao mosquito.
Piscina de criança – Casas de praia, que são apenas utilizadas durante os fins de semana, apresentam um grande risco de serem criadouros do mosquito, pois a água ficaria parada por exatamente uma semana.
Ao fechar o imóvel, os proprietários têm de tomar o cuidado de esvaziar todos os recipientes contendo água limpa e parada e não deixar ao relento objetos com superfícies que podem acumular chuva.
Sebastião chama atenção especial para as piscinas infláveis de criança. É necessário esvaziar e guardar, para não juntar água entre as dobras do plástico.
“Se quiser deixar cheia, é muito importante colocar cloro. Só assim a larva do mosquito não sobrevive”, ressalta Campos.
Brinquedos abandonados no jardim são outro fator de risco. “O baldinho de areia e o potinho do cachorro têm de ser esvaziados, escovados e guardados na garagem”.
Vaso sanitário – Derramar água sanitária nos ralos de varanda e cobrir a tampa do vaso são ações importantíssimas.
Lugares da casa que não são muito frequentados e podem acabar esquecidos, como um banheiro de serviço ou uma varanda de fundos, merecem atenção redobrada.
Nessas áreas, Campos recomenda usar muito cloro. “Às vezes, as pessoas não pensam que o mosquito poderá utilizar o banheiro dentro da casa, mas, sim, ele vem, pois é um bicho doméstico. Tem de tampar o vaso sanitário para não deixar entrar”.
Bromélias – As plantas de folhas largas e cálice profundo podem acumular água nas suas reentrâncias, gerando um criadouro ideal. Em muitos jardins, a flor fica presa às paredes em placas de fibra de coco.
A sensação visual vertical passa a falsa idéia de que não há água acumulada ali, pois, em teoria, ela escorreria. “Esse é um problema principalmente nos bairros mais abastados”, diz Campos.
“O pessoal rico pensa que dengue é coisa de pobre. Quando vamos visitar a residência, já de cara não nos deixam entrar. Pensam que é assalto. Aí depois entramos e está lá a bromélia cheia de água parada.”
Tampinha de garrafa – Tampa de garrafa, canudos de plástico, lata de alumínio. Esses são alguns lugares inusitados onde as equipes de Campos já encontraram ovas de Aedes aegypti. O agente de saúde também ressalta que o lixo reciclado guardado em casa pode ser um risco em potencial.
“O mosquito gosta de água limpa e o chamado ‘lixo seco’, que pode acumular ao relento até o dia da coleta seletiva e também virar foco de reprodução do inseto. Tem de guardar dentro de casa. Não pode deixar nada descoberto, na rua”.
Casquinha de caramujo – A casquinha vazia de um caramujo pode parecer pequena, mas guarda nela o potencial para uma colônia de ovos do Aedes aegypti. Limpar com persistência os cantos mais isolados do jardim é uma medida de sucesso do controle do mosquito.
“Já encontramos mosquitos em casquinha de caramujo, de ovo, cada coisinha pequeninha… Dá em tudo. Se bobear, o mosquito abusa”, comenta Campos.
“Pare e pense: esse é o bicho que mais mata no mundo hoje. Não tem como não levar a sério. É preciso acabar com ele”, conclui.
Fonte: Ambiente Brasil

Deixe um Comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Cadastre-se para receber nossa newsletter!

Fique por dentro de nossa novidades!

Posts Relacionado

Solicite seu orçamento ou tire suas duvidas.

FIQUE LONGE DE DOENÇAS E INCÔMODOS CAUSADOS PELAS PRAGAS.
FALE CONOSCO.

%d blogueiros gostam disto: