As chuvas e a proliferação de pragas urbanas

O calor e as chuvas formam um cenário bastante favorável para o surgimento das mais diversas pragas urbanas. Ratos, baratas, formigas, mosquitos, moscas, aranhas e até escorpiões podem aparecer nesta época do ano em que as inundações atingem seus esconderijos e eles precisam sair em busca de alimento e um abrigo seco para se restabelecerem. Eles podem ser atraídos pela sujeira e também por restos orgânicos que acabam se acumulando nos cantos de ambientes internos e externos. Por isso, é importante ficar atento aos hábitos simples que podemos praticar para amenizar os efeitos das proliferações e nossa casa e evitar ao máximo as chances de infestações.
As lixeiras devem sempre ser muito bem vedadas, tanto as que ficam dentro quanto as que ficam fora de casa. Importante lembrar que não se deve deixar que o lixo se acumule por mais de 48h, uma vez que os restos e o mau cheiro pode atrair as pragas. Nas áreas externas como jardins e quintais, as lixeiras devem ser mais altas, pois os animais podem rompê-las e espalhar o conteúdo atraindo ainda mais pragas.
Também é importante tomar cuidado com as pias. Por incrível que pareça, lavar a louça também ajuda a manter as pragas longe de casa. Jogue água fervente nos ralos para matar as bactérias e evite jogar resíduos sólidos e restos de comida lá dentro. E lembre-se: se sua casa já está infestada, confie a eliminação destas pragas a uma dedetizadora. A Insetan, empresa de dedetização certificada pela ISO 9001, conta com uma equipe qualificada, produtos licenciados pelo Ministério da Saúde e um serviço de eliminação de pragas comprovadamente eficaz.

Manejo de plantas para seu jardim

O jardim de nossa casa é sempre muito importante para deixar o ambiente em contato com a natureza. Um local com flores, plantas, animais e ar puro traz mais beleza para qualquer residência ou empresa. Mas é sempre importante também se perguntar como anda a saúde deste espaço. A boa aparência de uma jardim pode não revelar a coexistência de plantas nocivas umas às outras. E é para ajudar nesses casos que a Insetan possui em seu portifólio de serviços o Manejo Integrado de Plantas Invasoras.
Para cuidar da saúde do jardim, o engenheiro agrônomo, numa visita, faz o diagnóstico do ambiente em que as plantas estão e observa a interação das plantas saudáveis com plantas invasoras. O tratamento se dá com a aplicação de um herbicida seletivo que elimina apenas as plantas de folha larga (geralmente as plantas não desejadas), sem prejudicar o solo. O Manejo Integrado de Plantas une o controle químico com produtos herbicidas seletivos ao controle mecânico associado a adubação folear recuperadora da vegetação desejada.
Depois da aplicação em si, a técnica da Insetan também cuida do restabelecimento da saúde do jardim. A ação integrada garante que, depois da interferência dos técnicos para a retirada das plantas invasoras, o gramado possa reencontrar sua forma de retornar ao seu estado saudável e com a capacidade de manter-se assim. A estratégia é fazer com que os espaços vazios deixados pelo manejo não sejam novamente preenchidos pela grama desejada.

6 dicas para férias escolares sem escorpiões

Nas férias de julho, além das crianças sem o compromisso escolar, outra coisa pode estar à solta: os escorpiões. Essa praga urbana possui um ferrão na cauda e o veneno que esta injeta pode causar acidentes graves às crianças. Como os escorpiões não gostam de claridade, eles procuram lugares escuros e úmidos para se abrigar. Por isso, dentro de casa, eles são encontrados em frestas, forros de madeira, rodapés soltos, etc.

Confira algumas dicas de prevenção:

1- Vede ao máximo as frestas e pequenos buracos que possam servir de passagem ou esconderijo para os escorpiões.

2- Mantenha as camas afastadas das paredes para dificultar o contato.

3- Não deixe o lixo se acumular nem mantenha entulhos perto da casa.

4- Antes de colocar as mãos dentro de sapatos ou pilhas de roupas, dê uma sacudida.

5- Manuseie materiais acumulados com bastante cuidado.

6- Contrate uma empresa de dedetização confiável. 

Caso a criança seja picada, leve-a imediatamente ao Centro de Referência Toxicológica mais próximo para que o soro apropriado seja administrado. Se possível, leve também o escorpião para que ele seja identificado.

Saber a diferença entre os roedores ajuda na hora da dedetização

Para uma dedetização verdadeiramente eficaz, é importante saber identificar algumas diferenças entre alguns roedores, como, por exemplo, as que distinguem os ratos das ratazanas. Embora, aparentemente, tenham mais semelhanças do que diferenças, há características que devem ser levadas em conta na hora de dedetizar.
 
Das características físicas, os ratos possuem orelhas a cauda compridos em relação ao tamanho do corpo. As ratazanas, por sua vez, têm a cabeça e os pés grandes se comparados ao tronco. Além disso, há o fato dos ratos terem uma cor acinzentada ou acastanhada e uma pelagem mais clara na barriga.  
 
Quanto aos hábitos alimentares, a ratazana tem a “mania” de cortar os grãos quando o come, bebe aproximadamente 60ml de água por dia e costuma procurar alimentos nos mesmos locais. Já os ratos esmagam os grão aos invés de cortá-los, isso faz com que ele possa remover a casca exterior e ter acesso à poupa, conseguem sobreviver sem água, mas, em geral, bebem uma média de 3ml por dia. Por outro lado, assim como as ratazanas, busca por alimentos nos mesmo lugares.
As ratazanas vivem no nível do solo, enquanto os ratos de telhados preferem lugares altos. Estes ratos gostam muito de frutas e cereais. Importante saber que, embora busquem alimentos no lixo, não consomem aqueles que estejam estragados, mofados ou azedos. A identificação correta da espécie é fundamental para que a empresa de dedetização saiba onde iscar e a qual a isca mais adequada. Por isso, conte sempre com a Insetan.

Escorpiões são atraídos por baratas para dentro de nossa casa

Ainda bem que existe a dedetização! No verão, as baratas aparecem de todos os lados. O calor em alta e as chuvas que inundam os esgotos obrigam esses bichos a saírem pelas bocas de lobo, o que anda aumentando o risco de infestações nas cidades. Essa praga, sobre as quais estamos sempre falando aqui no blog, pontua nossa discussão da vez por um outro motivo, mais preocupante: seu poder de atrair escorpiões para nossa casa.
 
Os escorpiões, por serem predadores naturais das baratas, podem invadir nosso ambiente seguindo os rastros de sua presa. Isso mesmo, além do desconforto e contaminações que as baratas trazem consigo, há também as chances de atraírem animais venenosos. Por isso, é importante reforçar que a dedetização é de extrema importância.
 
Com os truques caseiros, não é inteiramente seguro dizer que, mantendo as baratas longe, estaremos totalmente livres dos escorpiões, mas algumas ações simples ajudam muito no controle das baratas, como: manter o ambiente sempre limpo, não deixar migalhas espalhadas pelas superfícies, recolher o lixo diariamente e vedar frestas que podem servir de passagem pelos insetos.

E quando encontramos fezes de ratos nas roupas?

Quando não há dedetização correta em um local com chances de infestação, uma hora ou outra, o descuido irá trazer alguns transtornos. Um exemplo disso é quando os ratos resolvem invadir a nossa casa. Por onde passam, esses animais podem espalhar sujeira, prejuízos materiais e, o pior, sérias ameaças à nossa saúde.

Não raro, numa casa em que há incidência de roedores, encontramos fezes e urina desses animais em roupas e outros tecidos que utilizamos no dia a dia. E quem já passou por isso, sempre traz consigo as dúvidas sobre a providência a ser tomada. Jogar logo na máquina de lavar? Usar produtos de limpeza mais pesados? Descartar as roupas na lixeira? Afinal de contas, qual a melhor maneira de resolver o problema?
 
De acordo com a técnica responsável da Insetan, Viviane Avelar, a limpeza ideal é aquela que se faz do jeito mais completo possível. Primeiramente, a máquina de lavar deve ser submetida  a uma descontaminação. Antes de começar a lavagem, as fezes devem ser retiradas das roupas e, estas, em seguida, rodadas na máquina em um ciclo comum. Depois, é necessária uma higienização com um produto de alto teor bactericida do tipo Lysóformio e a finalização deve ser feita com mais uma lavagem convencional. Após a secagem, as roupas devem ser passadas com o ferro em temperatura bem alta.

Como evitar que os ratos invadam a sua casa

Infestações de ratos são o motivo frequente da procura por dedetização. Esses bichos causam tanto medo, repulsa e nojo quanto as baratas. Por isso, ninguém gosta de vê-los, mesmo que de vez em quando, andando pela casa. Mas além de todo o desconforto, fato é que os roedores frequentam esgotos, latas de lixo, telhados e ruas, trazendo consigo o que de pior esses lugares podem proporcionar: doenças.
 
Com isso, é comum estarmos sempre procurando formas de evitar que as pragas entrem em nossa casa e acabem destruindo alimentos, objetos, móveis, trazendo prejuízos para todos os moradores da residência, incluindo os animais de estimação, uma vez que a urina do rato, por exemplo, é o veículo para bactérias que causam infecções como a leptospirose.
 
Em muitos lugares, a convivência no mesmo ambiente que as pragas urbanas é praticamente inevitável, mas há algumas ações simples que podem ajudar a manter os roedores longe de sua casa. Como por exemplo:
 

  • Vedar muito bem a lixeira.
  • Não deixar alimentos sem proteção e fora da embalagem.
  • Não deixar a ração dos animais de estimação à mostra durante a noite.
  • Manter a casa sempre bem limpa.
  • Confiar o problema à uma dedetizadora de confiança.

Dedetização contra o Aedes aegypti: 10 dicas para se livrar do mosquito

A época de maior proliferação do mosquito da dengue está batendo em nossa porta. No verão, é comum ver no noticiário muitas cidades declarando situação de emergência, pessoas infectadas pelo vírus, variações de doenças sendo espalhadas. A guerra contra o mosquito já foi declarada há algum tempo, contudo, a situação pouco muda. Isso porque o mosquito só é derrotado quando acontece a dedetização e prevenção de seus criadouros. Para isso, é preciso conscientização, o que depende, necessariamente, da responsabilidade, ação individual e conjunta de todos. Então, fique ligado nestas dicas e faça a sua parte.

1- Mantenha a caixa d’água sempre limpa e vedada com tampas adequadas.

2- Deixe a calha livre de tudo que possa impedir a passagem de água, como folhas e galhos.

3- Elimine qualquer possibilidade de acúmulo de água da chuva nos terreiros e lajes.

4- Lave semanalmente por dentro e com escovas os tanques que armazenam água.

5- Mantenha tonéis e barris d’água muito bem vedados.

6- Coloque areia nos pratinhos de plantas para impedir que reste água parada.

7- Troque regularmente a água e limpe recipientes e vasos onde são mantidas plantas aquáticas.

8– Vire garrafas e vasilhas de cabeça para baixo

9- Mantenha pneus longe de lugares onde possam armazenar água, como em lugares desprotegidos da chuva.

10- Deixe a lata de lixo sempre bem fechada e não jogue entulho em terrenos baldios.

Aedes aegypti: cuidado com as armadilhas que viralizam nas redes

Com o verão se aproximando, se aproximam também as dezenas de matérias online e boatos acerca de dedetização caseira, armadilhas e receitas “infalíveis” para acabar com o mosquito. Todos os dias são páginas e mais páginas sobre instrumentos improvisados, porém inovadores para parar de vez o mosquito e acabar com a dengue, a zika e a febre chikungunya. Recentemente, uma dessas armadilhas tem crescido em popularidade e chamado atenção de alguns especialistas. É a chamada “mosquitérica”, uma engenhoca feita a partir de uma garrafa pet e um pedaço de tecido microtube.
O que se sabe a respeito da reação dos especialistas é de que eles dividem opiniões. Os defensores dizem que a engenhoca pode funcionar se for usada em larga escala. Por outro lado, os institutos Oswaldo Cruz e Emílio Ribas não recomendam seu uso. Eles afirmam que há risco, em tese, da armadilha atrair ainda mais mosquitos.
Entre os riscos e a incerteza, o ideal é seguir à risca os cuidados que já conhecemos como eliminar qualquer possibilidade de acúmulo de água e lixo, limpando calhas, colocando areia nos pratos de plantas, vedando caixas d`água e utilizando telas nas janelas.

Fauna silvestre nas áreas urbanas

Por José Junior Silva, Biólogo.

Belo Horizonte e região metropolitana de Minas Gerais estão inseridas em uma região cuja vegetação predominante é o Cerrado e Mata Atlântica, os dois Biomas mais ricos em biodiversidade do Brasil. A proximidade entre os centros urbanos e as áreas nativas favorece a aparição de animais silvestres nas residências, comércios e indústrias, com isso vem crescendo os chamados pelas empresas de dedetização para remoção desses animais encontrados.
Alguns animais como serpentes, lagartos, aves e mamíferos percorrem as matas e chegam nas cidades provocando diferentes reações, desde pânico ao presenciar uma serpente até surpresa ao avistar um tucano pousado sobre uma árvore situada em plena avenida movimentada.
A presença dos animais silvestres favorece situações conflituosas entre os animais e os habitantes das cidades. Tais conflitos variam desde a “cantoria” de pássaros como o sabiá-laranjeira (Turdus rufiventris), que tem gerando reclamação de moradores por atrapalhar o sono durante o amanhecer, até o choque de aves contra edifícios que utilizam de revestimentos reflexivos os quais confundem as aves. Outros fatores como atropelamentos e a captura de animais silvestres que servirão como bichos de estimação ou serão vendidos de forma ilícita no mercado ilegal de animais marcam a presença desses animais nos grandes centros.
Todos os animais desempenham importantes funções reguladoras para a manutenção do equilíbrio e conservação biológica, sendo assim é proibido matar, perseguir ou capturar animais silvestres sem autorização dos órgãos competentes (Lei 9.605/88). Diferente das empresas especializadas em controle de pragas urbanas, o corpo de bombeiros e os órgãos ligados ao meio ambiente assim como algumas ONG’s possuem licença para manejar animais silvestres, portanto quando necessário esses profissionais podem ser acionados para recolhimento e destinação corretos dos animais encontrados nas áreas urbanas.