Cupins: entenda porque, em breve, eles poderão visitar sua casa

O tempo esquentou, a umidade relativa do ar aumentou e . . . em breve os cupins podem visitar a sua casa

Revoadas de “aleluias”, em torno de luzes e holofotes, costumam despertar a curiosidade e chamar a atenção. O que nem todo mundo sabe é que essas aleluias, na verdade, são cupins alados. E é nessa revoada que eles saem de suas colônias originais e buscam parceiros para o acasalamento e formação de uma nova colônia, gerando infestações que podem custar muito caro para quem tem peças de madeira em casa.

Sazonalidade: quando as infestações costumam acontecer?

No Brasil, o aumento das infestações se dá entre a primavera e verão, quando temperatura e umidade começam a aumentar. O clima desse período é propício à reprodução desses insetos, que acaba aumentando sua população de maneira considerável.

Os prejuízos que esta praga urbana consegue causar são muito grandes e o controle não é nada fácil. De tão sensível, aliás, a recomendação é que seja feita por um profissional.

Dicas para identificar e evitar os cupins

Cupins se alimentam de celulose, ou seja, onde tem madeira, tem um potencial ponto de infestação.

Evitar que os cupins entrem em casa é uma alternativa eficiente para evitar problemas futuros, e isso deve ser feito o quanto antes, quando os insetos ainda estão em sua forma alada. Como? Através de barreiras físicas. O uso de telas em janelas, por exemplo, pode ser uma arma eficiente para não permitir a entrada de cupins e outros insetos.

O que mais pode ser feito? Cuidado com os inseticidas. O melhor é sempre contar um profissional especializado

Apesar de existirem inseticidas que ajudam a eliminar os cupins por conta própria, estes produtos apenas resolvem o problema que está aparente, ou seja, a aplicação desses produtos não será efetiva no controle, agindo apenas de forma paliativa e podendo em muitos casos agravar a infestação.

Controles paliativos eliminam apenas os indivíduos que você consegue ver, os demais que estão na colônia continuarão a se alimentar daquela madeira. Infestações de cupins subterrâneos, por exemplo, só conseguem ser controladas com técnicas diferenciadas e ações voltadas aos hábitos de cada espécie.

Por tudo isso, para resolver o problema, o melhor é sempre contar com um profissional especializadado. E isso você encontra na maior e mais tradicional empresa mineira do segmento, a Insetan.

Para solicitar um orçamento gratuito, clique aqui. Se preferir, você pode entrar em contato pelo WhatsApp (31) 9 9361-8426 ou pelo telefone (31) 3423-2500

9 VERDADES E 1 MITO SOBRE DEDETIZAÇÃO

Mitos sobre controle de pragas

Que tal testar seus conhecimentos sobre dedetização? Listamos aqui 9 verdades e 1 mito sobre o assunto e querermos saber se você descobre qual dessas informações é pura balela.

Vamos lá:  

1- Antes de dedetizar, é importante que se conheça a espécie da qual desejamos nos livrar para usar os produtos corretos.

2- Não há necessidade de uma limpeza muito pesada depois da dedetização.

3- Os animais de estimação sofrem tanto quanto as pessoas quando a casa está infestada.

4- Apenas uma dedetização é suficiente para manter o ambiente livre de pragas para sempre. 

5- A dedetização não deve ser feita somente em residências. É de extrema importância que as empresas também sejam dedetizadas, principalmente as de caráter alimentício.

6- O correto é DEDETIZAÇÃO, não DETETIZAÇÃO.

7- Com o avanço da tecnologia, os produtos utilizados na dedetização estão cada vez menos tóxicos para humanos.

8- As baratas, definitivamente, não sobreviveriam a um ataque nuclear.

9- Há milhares de espécies de aranhas, mas uma pequena parte é venenosa.   

10- A picada do escorpião amarelo pode ser letal para crianças e idosos.

Resultado:

O número 4 é um tremendo mito sobre dedetização. Sabe por quê?

Em todos os ambientes suscetíveis à infestação, a dedetização deve ser feita periodicamente e não apenas uma vez.

O ideal é que, em casas, o controle seja feito trimestralmente. Clique aqui e faça um orçamento.