Saiba mais sobre a Febre Zika, doença transmitida pelo Aedes aegypti que chega ao Brasil

Saiba mais sobre a Febre Zika, doença transmitida pelo Aedes aegypti que chega ao Brasil

Depois da Febre Chikungunya, doença considerada prima da dengue, pesquisadores do Instituto de Biologia da Universidade Federal da Bahia, identificaram no Brasil, a presença do Zika virus (ZIKV), responsável pelo surto de uma “doença misteriosa” que vitimou inúmeras pessoas em Salvador e em vários outros municípios da Bahia.

Os pesquisadores cogitam que o vírus tenha entrado no Brasil, provavelmente, trazido por turistas que vieram assistir à Copa do Mundo de Futebol no ano passado. Aqui, o Zika vírus se proliferou por conta do mosquito do gênero Aedes (aegypti, albopictus, africanus, apicoargenteus, furcifer, luteocephalus, etc.), que serve de vetor para sua transmissão.

Os sintomas são semelhantes nessas doenças, porém menos graves na febre Zika:

  • febre por volta dos 38 graus,
  • dor de cabeça,
  • dor no corpo e nas articulações,
  • diarreia,
  • náuseas,
  • mal-estar.

A erupção cutânea (exantema) acompanhada de coceira intensa pode tomar o rosto, o tronco e os membros e atingir a palma das mãos e a planta dos pés. Fotofobia e conjutivite são outros sinais da infecção pelo Zika virus. Segundo o Engenheiro Agrônomo e Analista Técnico da Insetan, Dhiego Freitas Rocha, “é necessário também ficar atento com a  contaminação conjunta destas doenças  transmitidas pelos mosquitos do gênero Aedes, já que o efeito dos sintomas a partir da associação destas enfermidades são desconhecidos“, alerta.

 

Para prevenir a presença do Aedes aegypti, também transmissor da dengue, da febre Chikungunya e da Febre Amarela, siga estas medidas:

1 – Mantenha bem tampados: caixas, tonéis e barris de água.

2 – Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira sempre bem fechada.

3 – Não jogue lixo em terrenos baldios.

4 – Se for guardar garrafas de vidro ou plástico, mantenha sempre a boca para baixo.

5 – Não deixe a água da chuva acumulada sobre a laje.

6 – Encha os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda.

7 – Se for guardar pneus velhos em casa, retire toda a água e mantenha-os em locais cobertos, protegidos da chuva.

8 – Limpe as calhas com freqüência, evitando que galhos e folhas possam impedir a passagem da água.

9 – Lave com freqüência, com água e sabão, os recipientes utilizados para guardar água, pelo menos uma vez por semana.

10 – Os vasos de plantas aquáticas devem ser lavados com água e sabão, toda semana. É importante trocar a água desses vasos com freqüência.

11 – Lave com escova o bebedouro de animais domésticos.

 

Com informações do Blog do Dr. Dráuzio Varella

Deixe seu comentário

+ 87 = 93