Acidentes por animais peçonhentos aumentam no verão

Acidentes por animais peçonhentos aumentam no verão

Foto: canstockphoto.com

Temperaturas mais altas e chuvas favorecem a proliferação de insetos em casa. Para diminuir os riscos de acidentes com animais peçonhentos, como o escorpião, as aranhas, abelhas e lagartas, os cuidados devem se intensificar, principalmente no período entre Outubro e Março.

Dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) mostram que nos primeiros meses do ano passado, mais de 200 moradores foram atendidos após acidentes com escorpiões na capital. Em Minas Gerais que é o estado que mais notifica estes tipo de atendimento do Brasil, foram registrados quase 25 mil casos, em que mais da metade foram relacionados aos escorpiões.

Estes animais buscam abrigos por conta das inundações causadas pelas chuvas de verão. De acordo com a bióloga Viviane Alves de Avelar, os casos aumentam consideravelmente durante o verão e com o excesso de chuvas, quando buscam abrigo. Além das mudanças no tempo, o momento reprodutivo desses animais acontece no verão.

Em Belo Horizonte, o Tytius serrulatus, conhecido por escorpião amarelo, é o mais comum. Para prevenir acidentes por escorpiões, a pessoa deve usar calçados e luvas nas atividades ligadas à jardinagem, à materiais de construção e examinar calçados e roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las.

Clique para ver mais dicas para prevenir a presença de escorpiões

Outros cuidados são a preservação de predadores naturais como galinhas, corujas, sapos, lagartixas e seriemas; limpeza de terrenos baldios, pelo menos na faixa de um a dois metros junto ao muro ou cercas; não acúmulo de lixo e materiais de construção. As pessoas devem ainda evitar contato com lama e água de enxurrada, e sempre utilizar botas e luvas.

Cuidados

Geralmente, a picada do escorpião é seguida de dor ou formigamento local.  Em casos de acidentes, é altamente recomendado levar a pessoa imediatamente para um hospital. Em Belo Horizonte, o soro antiescorpiônico pode ser encontrado no Hospital Pronto Socorro João XXIII.

Devido à fragilidade das crianças, em especial as menores de 3 anos, o veneno do escorpião atinge os sistemas delas bem rápido. Por isso é importanque que que o atendimento médico seja feito de forma mais ágil que os demais, nesses casos, as crianças precisam ficar em torno de 24 horas em observação, enquanto os adultos ficam por volta de 6 horas.

 

Deixe seu comentário

- 1 = 3