Infestação de ratos assusta pedestres e comerciantes no Centro de BH

Infestação de ratos assusta pedestres e comerciantes no Centro de BH

Reportagem do EM flagrou situação em um cruzamento da capital. Comerciantes dizem que o problema é constante

 

Eles são muitos, transmitem doenças e chegam a assustar pelo tamanho. Quem passa pelas vias do Centro de Belo Horizonte pode encontrar ratos a qualquer hora do dia mas, segundo comerciantes, o número aumenta no início da noite. A reportagem do Estado de Minas flagrou o “ataque” de um grupo de ratazanas por volta das 18h dessa segunda-feira no cruzamento da Rua dos Carijós com a Rua dos Guaranis. Eles rasgavam sacos de lixo e se misturavam entre carros e motocicletas estacionados na via.

“É a qualquer hora do dia. Tem um estacionamento de motos quase na esquina com a Carijós, e você vê eles passando no meio delas”, diz o vendedor Luciano Benedito de Assis, de 41 anos, que trabalha em uma loja na região. “Já chamamos a prefeitura várias vezes”, diz. No entanto, segundo ele, não houve resposta. Segundo Assis, mesmo com o recolhimento de lixo frequente – somente nesta manhã, o caminhão da SLU passou três vezes -, os ratos permanecem no local.

Uma pessoa que trabalha em uma farmácia nas proximidades do cruzamento, e pediu para não ser identificada, disse já ter visto ratos andando sobre toldos de lojas e até mesmo nos fios da rede elétrica.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, até o mês de agosto, a prefeitura recebeu 12.017 solicitações de controle de roedores e 11.689 atendimentos. No ano passado, foram 23.386 solicitações e 22.592 atendimentos.

O controle de roedores na capital é realizado em ações programadas em áreas de maior infestações, como beiras de córregos e vilas, e agendadas conforme demanda espontânea. O serviço pode ser solicitado por meio do número de telefone 156. Ainda segundo a Secretaria, os agentes da prefeitura avaliam se existe a necessidade de aplicar o raticida. Na capital são três espécies mais comuns de roedores que convivem com o homem: ratos de telhado, camundongos e ratazanas.

A Secretaria de Saúde ainda destaca que a má conservação e a falta de limpeza de lotes vagos podem contribuir para o aumento dos roedores. Por isso, é importante que o morador mantenha os locais livres de lixo e de restos de comida.

 

 

Deixe seu comentário

55 - 49 =