Governo do Distrito Federal descarta risco de contaminação em sala de hospital com percevejos

Governo do Distrito Federal descarta risco de contaminação em sala de hospital com percevejos

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal informou nesta sexta-feira (13) que adota “todos os procedimentos de higienização para o controle de percevejos em uma das salas de repouso dos servidores” no Hospital Regional de Santa Maria. Até esta quinta (12), dez funcionários disseram ter sido picados. Uma mulher precisou ser internada, após crise alérgica.

Segundo a Subsecretaria de Vigilância à Saúde, o foco está isolado e não há risco de contaminação para outras áreas do centro médico. “A Secretaria de Saúde reitera que não há motivo para pânico e a população pode continuar a buscar atendimento neste hospital”, diz a nota da pasta.

O texto aponta que todos os protocolos de limpeza são cumpridos. De acordo com a secretaria, os alojamentos são limpos frequentemente e os responsáveis aplicam bactericida e desinfetante, indicados pela Vigilância à Saúde como ideiais para exterminar os insetos e seus ovos.

De acordo com o GDF, os servidores são orientados a não levar roupas de cama de casa para o centro médico e não deixar roupas nos armários da unidade por longos períodos para evitar contaminações.

A secretaria também disse que os colchões antigos foram incinerados logo que se soube do foco de percevejo, e que o local passou por nova limpeza nesta sexta-feira. “Na próxima semana haverá novamente a aplicação de produtos. E para evitar nova contaminação os servidores receberão durante 30 dias kits de roupa de cama, que serão lavados no próprio hospital separados do restante do material de hotelaria”, diz a nota.

Mais cedo, a Secretaria de Saúde informou que 50 novos colchões com capas impermeáveis foram comprados. A dedetização, de acordo com a secretaria, só será feita após o carnaval. Segundo os servidores, a infestação começou em dezembro do ano passado.

Em janeiro deste ano, uma desinsetização foi feita no local e os colchões com mais de seis anos foram trocados. Funcionários afirmam que o foco dos percevejos está em uma sala de repouso com 13 beliches onde os funcionários descansam quando estão de plantão. A sala fica no 5º andar do hospital.

Uma funcionária que não quis se identificar afirmou que cada servidor traz o próprio lençol para dormir nas salas. “Os lençóis do repouso são dos próprios servidores porque o hospital não fornece para a gente. Se está faltando para o paciente, imagina para o servidor”, disse. “Isso é muito grave, né? O servidor está sendo prejudicado, está sendo picado por esses insetos.”

Na parede da unidade um documento foi pregado tratando o caso como infestação. O documento diz que houve falhas no processo para retirar os insetos. Segundo o documento, o foco pode estar nos estrados de madeira das camas. Uma nova desinsetização será feita no próximo dia 24.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

- 2 = 1