Pragas do Verão: Ratos

Pragas do Verão: Ratos

Um dia você resolve limpar a despensa de casa e – surpresa! – descobre que o lugar está infestado de ratos. Os sacos de comida estão furados e vazios, os livros foram roídos e nem as embalagens dos eletrodomésticos se salvaram. A presença dos bichos é repugnante, mas não há motivo para desespero, você pensa. Afinal, há no mercado um arsenal de ratoeiras e iscas envenenadas.

Depois de armar uma arapuca perfeita, você vai dormir sossegado, certo de que os intrometidos estão com as horas contadas. Doce ilusão. No dia seguinte, as armadilhas estão intocadas. Os ratos não deram nem uma mordida. Em compensação, devoraram mais um pouquinho da comida que restava, como se adivinhassem suas intenções. Como é possível que um animal tão menos evoluído que nós seja capaz de driblar a tecnologia mais moderna? Esses roedores são mesmo tão inteligentes?”

Este trecho do Artigo “Ratos, o pior amigo do homem”, escrito por Rafael Kensky, em 2002, nunca esteve tão atual. Em 2013, mais de 4 mil casos de leptospirose, (principal doença transmitida por roedores) foram registrados, segundo o Ministério da Saúde. Este número representa um aumento de 864 ocorrências, se comparados com o ano anterior. Mais de um quarto dos casos aconteceram nos estados da Região Sudeste.

Os ratos são portadores e podem ser hospedeiros de várias doenças transmissíveis ao homem, como a leptospirose, tifo, peste, febre por mordedura e hantavírus.

O combate a esses mamíferos roedores pode ser feito de forma direta, com o uso de venenos, armadilhas ou através de controle biológico, ou indireta, eliminando as condições propícias à vida e a reprodução dos ratos: abrigo, alimentação e água.

Os roedores mais comuns em nossa região são o Camundongo (Mus musculus), a Ratazana ou rato de esgoto (Rattus norvegicus) e o rato de telhado ou rato preto (Rattus rattus). Essas três espécies têm hábitos noturnos e uma grande capacidade de adaptação, o que torna possível a sobrevivência delas em diversas condições de ambiente. Veja abaixo alguns detalhes destes animais, segundo o portal InfoEscola.

  • Camundongo: Vive próximo ao homem, que fornece alimento e proteção e tem capacidade de escalar. Adulto, pesa em média 20 gramas e alimenta-se de grãos, principalmente pão. Queijo e outros alimentos também são bem-vindos. Os camundongos, geralmente bebem pouquíssima água. Costuma construir seu ninho em móveis, motores de eletrodomésticos ou em pequenos orifícios, principalmente na cozinha. Possui hábitos noturnos e explora um raio de 5 metros de seu ninho.
  • Ratazana ou rato de esgoto: Possui hábito fossorial, com habilidades como nadar e escavar. Adulto, pode pesar de 250 a 600 gramas, com 18 a 25 cm de comprimento. Alimenta-se de raízes, cereais, lixo e carne e bebe até 30 ml de água por dia. Sua cauda é peluda e grossa, podendo medir de 15 a 21 cm. Vive em galerias de esgoto e de águas pluviais, tocas em encostas, lixões e na beira de rios e córregos. Explora até 40 metros em torno de seu ninho. Vive em média 24 meses, podendo se reproduzir após 75 dias de vida, aproximadamente. A gestação dura em média 23 dias, sendo que em cada ninhada nascem entre 8 e 12 filhotes.
  • Rato de telhado ou rato preto: Habita acima do solo, como em copa de árvores, telhados e lajes. Possui habilidades para equilibrar-se e escalar. Adulto, pode pesar de 80 a 300 gramas, com 16 a 21 cm de comprimento. Alimenta-se de frutas, cereais, raízes, insetos e legumes, e bebe até 30 ml de água por dia. Vive em ambientes rurais, áreas portuárias, em depósitos, armazéns e nos forros das casas no ambiente urbano.

Seus ninhos normalmente são em sótãos, sacarias e porões de navios. Explora até 60 metros em relação a seu ninho. Vive em média 18 meses, podendo se reproduzir após 65 dias de idade, aproximadamente. A gestação dura em média 21 dias, sendo que em cada ninhada nascem entre 7 e 12 filhotes.

com informações de InfoEscola e Revista Super Interessante

 

Deixe seu comentário

3 + 7 =