Pesquisa da UFU aponta peixe mais eficaz no combate ao Aedes aegypti

Pesquisa da UFU aponta peixe mais eficaz no combate ao Aedes aegypti

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) em parceira com o Centro de Controle de Zoonoses “descobriu” mais um parceiro na luta contra o mosquito transmissor da dengue. O plati, que na fase adulta não chega a medir mais de 5 cm, consegue comer 50 larvas do Aedes aegypti em seis horas. Em comparação, o lebiste, espécie de peixe utilizada no combate aos focos do mosquito em todo País, leva um dia inteiro para eliminar a mesma quantidade de larvas.

Na fase adulta o Plati pode gerar de 40 a 80 filhotes por mês. De acordo com o coordenador do curso de gestão em saúde ambiental UFU, Boscolli Barbosa Pereira, mesmo com o plati, é impossível abandonar o controle químico no combate aos focos. A intenção, segundo ele, é fazer o controle das larvas usando tanto peixes, quanto inseticidas.

A princípio, os peixes serão levados para os pontos considerados críticos, que acumulem água e sejam possíveis criadouros. A supervisora de peixamento zoonoses, Cleibe Rossi, se encarrega de realizar a pesca dos platis. O povoamento com o peixe ainda está no início.

Dengue – Em Minas Gerais foram confirmados 137.729 casos de dengue em 2015. Uberlândia ficou em estado de epidemia com o resultado do Levantamento do Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) acima dos 3%. O último levantamento trouxe um índice menor, de 1,1%, mas a situação ainda é de alerta.

(Fonte: G1)

Deixe seu comentário

- 6 = 2