10 COISAS QUE TODO MUNDO DEVERIA SABER SOBRE OS CUPINS (PARTE 2)

10 COISAS QUE TODO MUNDO DEVERIA SABER SOBRE OS CUPINS (PARTE 2)

Continuamos hoje com mais 5 coisas que todos deveriam saber sobre cupins. A lista, elaborada pelo site americano about.com, traz 10 informações que quase sempre não sabemos sobre esses insetos. Na primeira parte deste artigo, vimos que os cupins têm grande importância para a natureza, que a digestão de materiais mais resistentes é feita graças à ajuda de micro-organismos hospedados no aparelho digestivo dos insetos e que eles descendem do mesmo ancestral que as baratas. Ah, também vimos uma característica bastante interessante sobre o comportamento dos cupins-macho, que são pais bastante presentes na primeira infância de seus filhotes.

Continuando, vejamos outras características destes insetos:

  1. Os cupins soldados e os operários são praticamente cegos.

Em quase todas as espécies de cupins, os operários ou soldados são praticamente cegos. Uma vez que estes insetos passam grandes períodos confinados em suas colônias ou em outros lugares escuros, eles não precisam de desenvolver uma visão muito apurada. Os cupins que têm a função reprodutiva são os únicos que precisam de enxergar bem, uma vez que precisam sair voando de suas colônias de origem para encontrar meios de copular e fundar uma nova colônia.

  1. Quando detectam qualquer ameaça, os soldados vão para a colônia para avisar os demais sobre o perigo.

Para alertarem os demais integrantes da colônia de que algum inimigo se aproxima ou qualquer perigo está aproximando, os soldados batem suas cabeças violentamente contra as paredes das galerias que formam a colônia. A vibração sentida pelos outros cupins servem para avisar de que algo está acontecendo.

  1. A comunicação mais eficiente dentro das colônias de cupins é feito por sinais químicos.

Os cupins utilizam feromônios, sinais químicos que emitem para se comunicarem uns com os outros e controlar o comportamento da colônia. Cupins deixam rastros de cheiro, que são emitidos através de glândulas especiais localizadas na parte dorsal do corpo. Cada colônia produz um odor diferente, como uma identificação própria, ou “impressão digital” da colônia. Em algumas espécies, a rainha tem o poder de controlar, através destes feromônios, até mesmo o crescimento e o papel que o jovem cupim irá desempenhar.

  1. Cupins voadores (as aleluias) podem voar apenas em determinadas fases da vida.

Quando saem de suas colônias de origem para realizarem a cópula e fundarem um novo cupinzeiro, os futuros reis e rainhas são chamados de “alados”, graças à sua capacidade de voar. Eles(as) deixam suas colônias, geralmente em grandes enxames- nos meses mais quentes do ano -, em busca de um(a) companheira(o). Cada par real, tem a missão de encontrar um novo lugar para fundarem suas próprias colônias. Quando isso acontece, eles perdem as asas e dedicam suas vidas para cuidar de seus reinos e da prole que geraram.

  1. Cupins se preocupam bastante com a limpeza da colônia e deles mesmos.

Com certeza, você imagina que um inseto que passa a maior parte de sua vida em ambientes subterrâneos e cheios de terra, teria como característica o gosto pela sujeira. Pelo contrário! Os cupins fazem um grande esforço para permanecerem limpos e passam um grande tempo cuidando um do outro. A boa higiene é importante para sua sobrevivência, uma vez que ajudam a manter parasitas e bactérias prejudiciais à existência dos insetos sob controle dentro da colônia.

 

Deixe seu comentário

88 - = 81