Um banquete para formigas.

Um banquete para formigas.

Dessa vez foi inevitável. Teve de trazer trabalho para casa. O final de semana iria ser cheio de relatórios, cafés, pizza e nenhum descanso. Ao chegar ao apartamento, nem mesmo tirou os sapatos. Ligou o computador, a máquina de café e se sentou em frente à tela. Aceitou que o relógio só seria importante perto da segunda-feira. Tudo pronto, mãos à obra. Lá fora, uma chuva fina ajudava a compor o triste cenário de um final de semana sem sair de casa.

Duas horas já sentado. A fome desaparecia com o que tinha de mais fácil alcance na geladeira. A mesa onde pousava o teclado ia se enchendo de manchas de café, farelos de bolo, restos de biscoitos, toda sorte de balas, doces e salgadinhos.

A comilança o estimulava a continuar. Estava indo bem, tudo estava fluindo como queria. Foi lá pela metade de todo o trabalho que viu as palavras embaralharem no editor de texto, “bala de caramelo”, viu surgir no meio de um texto sobre finanças trimestrais. “Bolo com calda vermelha” era o título da tabela de custos anuais. Achou que fosse o efeito de estar acordado até essa hora da madrugada e resolveu deitar um pouco no sofá. Um pequeno descanso irá poupá-lo de escrever bobagens açucaradas nos relatórios.

Não foi a solução perfeita. Quando retornou, uma imensa lista de sobremesas estampava o branco do documento online que editava: “pudim de leite condensado”, “suspiro”, “doce de abóbora”, “torta de limão”, “lamparina”, “mousse de chocolate”. Estava mesmo muito cansado ou, pior, estava louco. Nem mesmo se lembrava de ter aberto tal documento. Baixou a cabeça e, depois de sacudir a cabeça em busca de explicação, viu a resposta caminhando perto do mouse.

Aquelas palavras tinham uma autoria incomum: o que caminhava pelas teclas cobertas de migalhas era uma colônia de formigas pequenas, espertas e felizes com tamanha fartura. Vendo todas aquelas criaturas, prontamente soube o que fazer: escolheu uma fonte de forte impacto e, num tamanho enorme, digitou na tela branca:  “INSETAN”.

Em menos de um segundo, todas as formigas se dispersaram numa fuga desenfreada.

Deixe seu comentário

1 + 9 =