Mosquitos geneticamente modificados abrem nova frente no combate à malária

Mosquitos geneticamente modificados abrem nova frente no combate à malária

Biólogos anunciaram nesta terça-feira ter desenvolvido uma nova arma contra a malária, ao criarem mosquitos geneticamente manipulados para produzir principalmente descendentes machos, levando, eventualmente, ao desaparecimento de uma população inteira de insetos.

A técnica de seleção sexual produz uma geração de mosquitos em que 95% são do sexo masculino, enquanto nas populações normais este percentual corresponde a 50%, reportaram os cientistas em artigo publicado na revista Nature Communications.

Restam tão poucas fêmeas que a população de mosquitos eventualmente desaba, reduzindo o risco de que os humanos entrem em contato com o parasita da malária, transmitido pelas fêmeas que se alimentam de sangue.

“A malária é uma doença debilitante, com frequência fatal, e nós precisamos encontrar novas formas de combatê-la”, afirmou o chefe do estudo, Andrea Crisanti, professor do Imperial College de Londres.

“Achamos que nossa abordagem inovadora representa um enorme avanço. Pela primeira vez, fomos capazes de inibir a produção de descendentes fêmeas em laboratório e isto nos dá novas formas de eliminar a doença”, continuou.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a malária mata mais de 600.000 pessoas ao ano, sendo as principais vítimas as crianças pequenas da África subsaariana.

Resultado de seis anos de trabalho, o método se concentra nos mosquitos “Anopheles gambiae”, os transmissores mais perigosos do parasita da malária.

– ‘Um trabalho muito legal’ –

Os cientistas injetaram uma parte de enzima de DNA no código genético dos embriões de mosquitos machos. Basicamente, a modificação parte em pedaços o cromossomo X durante a produção de espermatozoides na idade adulta.

Como resultado, quase nenhum espermatozoide funcional continha o cromossomo X, que determina descendentes fêmeas. Ao contrário, a maior parte dos espermatozoides carregava o cromossomo Y, que produz machos.

Os mosquitos modificados foram testados em cinco jaulas, cada uma contendo 50 machos geneticamente modificados e 50 fêmeas silvestres normais.

Em quatro das cinco jaulas, toda a população desapareceu em seis gerações devido à falta cada vez maior de fêmeas.

Os mosquitos machos modificados produziram apenas herdeiros machos modificados, que tiveram o mesmo tipo de descendentes até que não sobraram mais fêmeas.

“A pesquisa ainda está no começo, mas estou muito esperançoso de que esta nova abordagem possa, enfim, levar a uma forma barata e eficaz de eliminar a malária de regiões inteiras”, declarou um colega de Crisanti, Roberto Galizi.

Em um comentário independente, o especialista Michael Bonsall, da Universidade de Oxford, referiu-se à pesquisa como um “trabalho muito legal”.

“Isto tem implicações importantes para limitar a disseminação da malária”, declarou à Science Media Centre britânica. “Será muito empolgante ver o avanço desta tecnologia específica”, continuou.

Os cientistas já estão fazendo experimentos na natureza com mosquitos “Aedes aegypti”, que transmitem a dengue, e que foram modificados para gerar descendentes que não chegam à idade adulta.

Eles sobrevivem durante apenas uma semana, enquanto mosquitos normais vivem um mês.

O Brasil e a Malásia já soltaram nuvens desses insetos, e em janeiro o Panamá anunciou que também fará o mesmo.

No entanto, estes programas despertam a preocupação de ambientalistas, que chamam atenção para o impacto desconhecido de animais geneticamente modificados no equilíbrio da biodiversidade.

Eles argumentam que se uma espécie de mosquito for eliminada de uma região, isto abriria a oportunidade para uma espécie concorrente – e potencialmente perigosa – vir à tona.

FONTE: http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2014/06/10/interna_internacional,538073/mosquitos-geneticamente-modificados-abrem-nova-frente-no-combate-a-malaria.shtml

Deixe seu comentário

52 - 45 =