Carrapatos espantam usuários do Parque Ecológico da Pampulha

Carrapatos espantam usuários do Parque Ecológico da Pampulha

A suspeita de mais casos na capital deixa o espaço ainda mais vazio, em especial as áreas destinadas aos brinquedos infantis e o imenso gramado

 

A turma de praticantes de tricking, esporte que mistura artes marciais, ginástica e elementos de dança de rua, já foi bem maior – chegou a 40, com moradores de Belo Horizonte e cidades vizinhas. Mas, nos últimos dias, o grupo que se reúne há oito anos, aos domingos, no Parque Ecológico Promotor Francisco José Lins do Rêgo Santos, na Pampulha, ficou reduzido a no máximo oito pessoas. O motivo é um só: medo do carrapato-estrela, infectado pela bactéria Rickettsia rickettsii, da febre maculosa, que causou a morte de um menino de 10 anos que visitou a unidade de conservação municipal.

A suspeita de mais casos na capital deixa o Parque Ecológico ainda mais vazio, em especial as áreas destinadas aos brinquedos infantis e o imenso gramado. De acordo com a Fundação Zoo-Botânica de BH, a frequência caiu drasticamente. Nos domingos, o número de visitantes despencou. Embora a instituição não tenha os dados referentes a sábado e a ontem, era visível a fuga dos frequentadores. “Ontem vim aqui e vi aproximadamente 40 pessoas”, contou o comissário de voo Lucas de Oliveira, de 29 anos, praticamente apaixonado do tricking.

“Estamos tomando os mesmos cuidados de sempre: não ficando sob árvores ou sentados na grama, treinando de calça comprida ou usando roupas brancas. É importante também examinar o corpo a cada duas horas”, disse o enfermeiro Glaucius Marcus, de 30.

“Não tenho mais coragem de trazer meus filhos para brincar aqui. Venho sozinho”, disse o projetista Romulado Reis, de 45, ao lado dos amigos e trickers Felipe Rafael, guarda municipal, Pedro Falcon, estudante de geologia, Johnathan Henrique da Cruz, técnico em informática, e Bruno de Oliveira Brandão, estudante.

PREVENÇÃO Curtindo o lazer de domingo, a engenheira civil Michelle Bueno, de 30, moradora do Bairro Castelo, na Região da Pampulha, costuma pedalar ao lado da mãe, a esteticista Luciene Brandão. No entanto, desde que as duas souberam da morte do menino, decidiram não passear mais com crianças ou animais no local. “Tenho um neto de 1 ano e não tenho coragem de trazê-lo mais, o que é uma pena”, disse Luciene.

Para Luciene e Michelle, informação e prevenção são fundamentais para evitar qualquer surpresa desagradável. “Seria importante ter funcionários orientando quem está no parque. Não vi ninguém distribuindo folhetos”, disse a engenheira.“A prefeitura precisa tomar providências urgentes”, acrescentou Michelle.

Pai de um menino de 5 anos, o analista de departamento pessoal Thiago Héverton Bodevan, de 29, morador da Região do Barreiro, também costuma pedalar e se exercitar no parque, mas agora com mais atenção. “Não venho mais com meu filho, muito menos com minha mulher, que está grávida”, afirmou Thiago, que gosta do espaço para andar de bike e para relaxar. “Costumo ir para a roça desde criança, estou acostumado com carrapato, mas quando há morte fica complicado”, disse o analista, que já viu as placas com a figura do bichinho e alertas.

SEM SABER Enquanto alguns frequentadores se preocupam, outros ainda não conhecem os riscos. “Não estava sabendo da morte desse menino, não. Sempre corro aqui no parque, gosto muito desse espaço. De hoje em diante, vou ficar atenta ao perigo”, disse a estudante Gabrielle Marcelle Freitas da Silva, de 19, moradora do Bairro Glória, na Região Noroeste da cidade.

Para outros, o clima é de exagero. Sentados com tranquilidade num banco próximo à área de brinquedos, os amigos Thiago Oliveira, de 20, morador de Contagem, na Grande BH, e Glauce Kelly, de 17, do Bairro Ouro Preto, na Pampulha, não se mostravam muito preocupados. “Desde criança venho aqui para brincar, soltar papagaio. Parece que ‘tocaram o terror’ com essa situação”, comentou o jovem. Glauce também pensa assim e ambos concordam que a prevenção e ações eficazes, como a aplicação de carrapaticidas, são melhor remédio.

 

Fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2016/09/19/interna_gerais,805385/carrapatos-espantam-usuarios-do-parque-ecologico-da-pampulha.shtml

Deixe seu comentário

23 + = 33