Vacina promissora pode interromper o ciclo da dengue no mosquito

Vacina promissora pode interromper o ciclo da dengue no mosquito

Uma vacina capaz de interromper o ciclo do vírus da dengue no próprio mosquito está mais próxima da realidade após cientistas terem identificado um gene que é o provável causador da infecção nas pessoas.

De acordo com cientistas da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, a possível vacina contra a dengue seria aplicada em pessoas que já têm a doença (até porque seria difícil aplicá-la no mosquito).

Para entender o resultado da pesquisa, é preciso lembrar como se dá a infecção por dengue. Quando o mosquito aedes aegypti pica uma pessoa infectada, ele carrega o vírus e pode transmití-lo a outras pessoas que ele picar (durante sua longa vida de cerca de 30 dias).

O que Tonya Colpitts, Michael Conway e seus colegas descobriram foi um gene do mosquito, batizado de CRVP379, que é o responsável pelo início da infecção ao enviar ordens para a produção de uma proteína venenosa para os humanos.

Assim, quando os mosquitos picarem novamente uma pessoa já infectada pela dengue (e vacinada), eles vão receber os anticorpos da vacina que são capazes de reconhecer a CRVP379 e combatê-la. Assim, seria possível criar uma vacina para que humanos com dengue, ao serem picados, não ajudem a espalhar a doença. Parece muito específico, mas imagine se as cerca de 1,4 milhão de pessoas infectadas pelo vírus da dengue neste ano no Brasil tivessem tomado essa vacina. O número de infecções cairia muito.

Os cientistas acrescentam que a proteína encontrada por eles não têm similaridades com proteínas humanas e isso seria uma vantagem por evitar reações autoimunes indesejadas potenciais de uma vacina com proteína parecida com a humana. Além disso, ela pode ser útil também para bloquear a transmissão de outros vírus pelo mesmo mosquito como a febre amarela e a febre do Oeste do Nilo.

Eles também conseguiram detectar anticorpos contra o CRVP379 em amostras de sangue humano, demonstrando que a proteína é capaz de ocasionar uma resposta imune nas pessoas – outro dado a favor para o desenvolvimento de uma vacina.

O estudo foi publicado nesta quinta-feira (22) na revista científica PLOS Pathogens.

 

Fonte: Pbagora 

Deixe seu comentário

+ 88 = 96