Gramados Ornamentais

Gramados Ornamentais

TEXTO PRODUZIDO PELO ENGENHEIRO AGRÔNOMO INSETAN DHIEGO DE FREITAS ROCHA

 

Com a correria das grandes cidades se torna um privilégio poder desfrutar de um

pedacinho da natureza e, uma das formas de estar próximo ao verde com pouco tempo livre é

nos jardins das praças, parques e casas.

Apesar de flores, frutos e árvores chamarem bastante atenção por suas cores e

belezas, o gramado se apresenta como cartão postal de qualquer projeto de jardinagem.

Mesmo aparentando certa simplicidade para a implantação e o cultivo de gramas

ornamentais, para se conseguir um gramado de encher os olhos são necessários alguns

cuidados que vão desde a seleção da espécie até os tratos culturais específicos da planta

escolhida.

Para a escolha da espécie deve se observar primeiramente o local onde o gramado

será implantado, levando em consideração fatores como o clima, tipo de solo, ausência ou

incidência de luz solar e do trânsito de pessoas ou animais.

Algumas gramas, são mais resistentes ao pisoteio e podem crescer bem à sombra, já

outros não se desenvolvem bem em locais com trânsito de pessoas. Dentre as mais utilizadas

podemos destacar:

Grama Esmeralda (Zoysia japonica) – Espécie mais utilizada em jardinagem doméstica

no Brasil por apresentar boa resistência ao pisoteio e folhas estreitas com coloração esmeralda

vistosa que confere o nome popular à espécie. Com rápido crescimento do sistema radicular e

fácil adaptação após o plantio se apresenta como opção para controle de erosões. Quanto aos

tratos culturais, a grama esmeralda é exigente em luz solar, não sendo recomendado o plantio

à sombra. Podas periódicas são importantes já que, com o passar do tempo as folhas se

tornam amareladas e começam a pender além de formar um ambiente propício a proliferação

de pragas urbanas e fitopatógenos.

Grama São Carlos (Axonopus compressus) – Normalmente recomendada para áreas

maiores, como gramados de sítios e casas de campo por apresentar folhagem densa que

rapidamente cobre grandes terrenos. Por seu crescimento agressivo, pode chegar a cobrir

áreas mesmo com presença de outras espécies de gramas ou plantas daninhas. Possui boa

tolerância ao encharcamento, o que faz da grama São Carlos uma opção para áreas com pouca

capacidade de drenagem. Em contrapartida, necessita de irrigação constante por não ser

tolerante à períodos de seca. Se cultivada recebendo irrigação regular e poda periódica o

gramado também estará livre de infestação de insetos, fungos e nematóides.

Grama Santo Agostinho (Stenotaphrum secundatum) – Espécie considerada mais

rústica, com boa tolerância à salinidade do solo se mostra como ótima alternativa para cultivo

em regiões litorâneas. Com coloração de verde a azulado e pontas arredondadas, boa

resistência ao frio e a locais em meia sombra, a grama Santo Agostinho é a preferida para

casas de praia. A poda deverá ser realizada visando manter sempre o tamanho do gramado

inferior a 3 cm.

Grama Amendoim ou Amendoim Forrageiro (Arachis pintoi) – Esta leguminosa

forrageira é muito utilizada para ornamentação principalmente em canteiros e locais de pouca

passagem. Apresenta coloração verde bem vistosa e, durante a primavera e o verão, apresenta

inflorescência amarelas que conferem um charme a mais para o gramado. Seu crescimento

vegetativo rápido proporciona boa cobertura densa do solo e dispensa podas frequentes e, por

se tratar de uma leguminosa, dispensa também a adubação nitrogenada. Como ponto

negativo, apresenta pouca resistência ao pisoteio não sendo recomendada para locais com

trânsito de pessoas ou animais e não se adapta bem em regiões de clima subtropical a

temperado. Por apresentar crescimento aéreo rápido e possuir porte mais alto, em

comparação às gramíneas anteriormente citadas, locais com cultivo do amendoim forrageiro

podem vir a servir de abrigo para insetos e aracnídeos.

Independente da escolha da espécie, alguns cuidados devem ser tomados antes da

implantação do gramado. É de grande importância se conhecer os solos, suas capacidades e

limitações e realizar as correções necessárias. Terrenos em desnível podem necessitar de

nivelamento no todo ou em algumas partes. A poda, quando necessária, deve ser realizada por

pessoa experiente e nas épocas recomendadas, uma poda feita de maneira inadequada pode

prejudicar as plantas, exaurindo reservas e podendo levar até a morte. O controle de pragas,

principalmente formigas cortadeiras e cupins, deve ser realizado anterior à implantação do

gramado. Após o plantio, o controle destes animais se torna inviável e, a presença destas

pragas, pode ocasionar perdas em até 100% das plantas.

Observando estes cuidados é possível se obter gramados vistosos e vigorosos. Em caso

de dúvidas ou problemas em gramas já estabelecidos pode sempre buscar auxílio junto a um

paisagista ou engenheiro agrônomo.

Deixe seu comentário

+ 55 = 58