Cupins idosos se transformam em bombas químicas para defender cupinzeiro

Cupins idosos se transformam em bombas químicas para defender cupinzeiro

Quando se trata de insetos, muitos deles têm vidas bastante complexas. Chamamos esses insetos, que vivem em sociedade, de “insetos sociais”. Diversas espécies de insetos se destacam pela organização de seus indivíduos, sendo os mais “famosos” as abelhas e as formigas.

Menos conhecidos, os cupins, que pertencem à ordem Isoptera, também vivem em sociedades altamente organizadas. Eles trabalham bastante, e em conjunto, para o funcionamento da colônia.

Assim como as formigas, os cupins usam bastante a boca durante as suas vidas, para funções como cortar folhas. Ao longo do tempo, a boca (as peças bucais) desses insetos se desgasta, perdendo sua afiação, e, consequentemente, os cupins mais velhos se tornam menos úteis para a sociedade.

Ou essa era a conclusão até pouco tempo atrás. Isso porque pesquisadores descobriram que os cupins mais velhos podem ser tão úteis quanto os mais novos, só que eles mudam de função: em vez de “operários”, se tornam “especialistas em arma química”, para segurança de sua sociedade.

Com algumas espécies de formiga, o mesmo ocorre: ao longo do tempo, as lâminas afiadas das formigas jovens se desgastam, e elas tendem a mudar de função – de cortar folhas a transportar as folhas cortadas por seus colegas mais jovens.

Mas o cupim estudado pelos cientistas pensou em algo mais emocionante do que ser um mero burro de carga: ser um suicida em prol da “pátria”.

Se alguma espécie de cupim concorrente confrontar outra, os animais mais velhos vão explodir, liberando uma substância pegajosa tóxica de suas costas.

Os pesquisadores descobriram isso quando perceberam que um subconjunto de insetos tinha listras azuis em suas costas, e eram muito mais propensos a romper (explodir) e liberar uma substância tóxica ao menor estímulo de um cupim inimigo.

Em seguida, os cientistas notaram que as mandíbulas desses animais que explodiam mais rápido estavam desgastadas pelo tempo. Conforme elas se desgastavam, a quantidade de corante azul aumentava.

A conclusão é de que a substância tóxica é lentamente produzida ao longo da vida do animal, e se acumula gradualmente nas costas do inseto. A “gosma azul” liberada pelos velhos é mais tóxica do que o líquido branco solto de cupins mais jovens, então, valorizando seu “exército jovem”, os cupins preferem enviar os mais velhos “à guerra”.

Do ponto de vista evolutivo, como eles não trabalham tão bem quanto antigamente, explodir em uma espuma azul muitas vezes é o máximo que eles podem fazer pela sua colônia.

Fonte: http://hypescience.com/cupins-idosos-se-transformam-em-bombas-quimicas-para-defender-cupinzeiro/

Deixe seu comentário

57 - 55 =